Selo aposta em procedência natural a partir do leite 100% tipo A e cuidado no trato animal. Além da produção de produtos sem lactose
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Com uma taxa de cerca 40% de brasileiros com  predisposição genética a ter algum tipo de reação negativa a lactose, o mercado de produção de alimentos e o modo de consumo de produtos como iogurte, leite e queijos vem mudando drasticamente nos último anos. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Para Fins Especiais e Congêneres (ABIAD), em cinco anos a venda de produtos zero lactose cresceu 98%.

De olho na qualidade de vida desse consumidor e preocupado com a produção desse tipo de produto, a Agropecuária Palma criou uma linha especial, totalmente lac free, incluindo Queijo Minas Frescal, Queijo Minas Padrão, Queijo Prato, Queijo tipo Cottage e Coalhada natural.

A engenheira de alimentos, a consultora em gestão da qualidade e assuntos regulatórios, Bruna Soares, conta que a produção de produtos sem lactose é feita pela própria empresa. “Nós adicionamos a enzima lactase no leite que faz a hidrólise (quebra) da lactose (principal carboidrato do leite). Assim, a lactase quebra a lactose em dois componentes: glicose e galactose”, esclarece.

A consultora afirma que as pessoas com intolerância à lactose não passam mal com a linha de produtos zero lactose. “As pessoas que têm intolerância não passam mal, pois elas não ingerem a lactose e, sim, a glicose e a galactose”, explica.

Empresa é destaque no DF

Segundo dados da Emater-DF, a produção de leite do Distrito Federal e entorno foi de 29,9 milhões de litros em 2017, número baixo se comparado ao potencial de demanda dos consumidores brasilienses, que é de 221,8 milhões de litros anuais, quando multiplicamos a população – cerca de 3 milhões de habitantes – pelo consumo recomendado pela Organização Mundial de Saúde, de 200 mL/dia.

Com mais de 50 anos no mercado, a agropecuária Palma chega em um novo momento na produção de laticínios a partir do leite tipo A, se firmando como referência de produtos de qualidade no Centro-Oeste graças ao investimento em melhoramento genético para chegar ao gado ideal das raças Gir Leiteiro e Holandês, que unidas deram origem a Girolando.

Atualmente a fazenda conta com duas unidades de produção, sendo: sistema “free stall”, no qual o gado é criado e acompanhado em conforto total; e sistema a pasto irrigado (pivô), no modelo internacional exportado da Nova Zelândia. Tudo o que o gado consome – milho, feno, alfafa e soja – é produzido na própria fazenda e transformado em ração, assim ele é suplementado com os melhores produtos.

Foto: Uirá Godoy

Fotos: Uirá Godoy

O gado é ordenhado três vezes ao longo do dia pelo processo mecânico, que visa diminuir os riscos de machucar e estressar o animal, além de livrar da contaminação de um animal para o outro. A operação resulta em um leite de excelente composição (Tipo A), que sai das vacas e é bombeado por uma tubulação metálica até os tanques de pasteurização. O processo é automático, sem contato manual, e garante produtos para serem consumidos de forma segura para a saúde.

“Só eu já tenho mais de 20 anos à frente da fazenda e sei o quão rigorosos somos tanto com a qualidade d o produto quanto com o trato com o animal. Não levamos até o seu limite. O ciclo de ordenha de cada uma delas dura no máximo 5 anos”, afirma Wesliane Maria Neuls, que conduz toda a produção.

Por dia, rebanho de aproximadamente 2500 vacas novilhas e 1000 vacas em lactação produzem cerca de 30 mil litros de leite são produzidos para virarem queijos, manteigas, creme de leite, coalhada, ricota e doce de leite com sabor artesanal. Apesar de parecer muito, o número representa pouco mais da metade da capacidade da fazenda, preparada para atender a alta demanda de consumo de leite leite e seus derivados na região.

Foto: Uirá Godoy

Para dar conta do serviço, a Palma emprega cerca de 170 funcionários, dos quais 70% moram na vila criada nos arredores da fazenda há mais de 25 anos com a ajuda da empresa.

“Buscamos gerar renda e dar moradia digna para nossos funcionários para que eles não precisem percorrer longos trajetos até o trabalho. Aqui temos uma pequena cidade com escola, igreja, mercearia e por aí vai. E lidamos com toda a burocracia de uma pequena cidade com a maior transparência possível”, afirma Wesliane.

A variação de produtos busca atender diferentes demandas do público que busca alimentação fresca de produção local, já que a fazenda fica localizada em Luziânia-GO (cerca de 60km de Brasília), e preocupado com a procedência do que está consumindo.

A linha premium é composta por Queijo Minas Padrão, Queijo Prato, Queijo Tipo Cottage, Queijo Minas Frescal, Ricota Fresca, Creme de Leite Pasteurizado, Coalhada Natural, Manteiga com e sem sal e Doce de Leite.

Dados sobre os principais indicadores para a cadeia produtiva do leite como preços do leite no mercado brasileiro e internacional, relação de troca ao produtor, balança comercial brasileira de leite e derivados.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER