Uma parceria entre a Fazenda da Toca, do empresário Pedro Paulo Diniz, e a Guaraci Agropastoril, controlada por quatro sócios, acaba de levar ao varejo paulista um leite orgânico com neutralidade de carbono no processo de produção.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

“Carbono Zero” – Uma parceria entre a Fazenda da Toca, do empresário Pedro Paulo Diniz, e a Guaraci Agropastoril, controlada por quatro sócios, acaba de levar ao varejo paulista um leite orgânico com neutralidade de carbono no processo de produção. A bebida, vendida sob a marca NoCarbon, foi lançada em julho e pode ser encontrada em 65 pontos de vendas de redes como St. Marche, Santa Luzia e OBA Hortifruti.

Há negociações em curso com outras redes, como o Grupo Pão de Açúcar, e com companhias de fora de São Paulo, segundo Luis Fernando Laranja da Fonseca, um dos fundadores da Guaraci Agropastoril. O investimento feito desde 2018, quando a parceria para a produção do leite orgânico começou, somou até agora cerca de R$ 5 milhões. A meta é faturar entre R$ 30 milhões e R$ 50 milhões com a novidade até dezembro de 2022.

A produção é na Fazenda da Toca, localizada em Itirapina, no interior do Estado. Ela ocupa uma área arrendada de 132 hectares e conta com 440 vacas.

A receita estimada considera a comercialização de um leque maior de produtos, além do leite em garrafas. Está previsto o lançamento, entre agosto e setembro, de queijos minas frescal e padrão, ricota, creme de leite e outros derivados, além das versões zero lactose e semidesnatado do leite. Todos terão a mesma marca.

Laranja, que é médico veterinário especializado em pecuária leiteira – e, além disso, um estudioso dos efeitos do clima -, classifica o NoCarbon como um “movimento”. “Queremos despertar a atenção de outras empresas para a produção de alimentos com baixo impacto ambiental ”, diz. O idealizador do projeto conta que ele e os três sócios da Guaraci (Osvaldo Stella, Henrique França e Valmir Ortega) compartilham uma visão crítica a respeito da produção convencional das proteínas animais.

Foi a partir da união dessas visões com a de Diniz, da Fazenda da Toca, que ganhou força o negócio de produção de leite que busca reduzir o uso de químicos no processo e dar ênfase à questão climática e ao bem-estar animal. Esses são, diz Laranja, os três pilares fundamentais para quem pensa em produzir proteínas, em leite ou corte, daqui em diante.

O leite NoCarbon tem certificação orgânica, de neutralidade de carbono e de bem-estar animal – conferidas, nessa ordem, pela IBD, ONG Iniciativa Verde e Certified Humane Brasil. Sobre a parte de emissões de gases que causam efeito estufa, o sócio da Guaraci diz ser “imperioso adotar estratégias para reduzi-las.

A melhor forma de obter um produto neutro em carbono, diz, é plantando árvores. Com essa ideia, os sócios fizeram o inventário total das emissões do processo produtivo – o que incluiu o volume de gás gerado na fabricação das garrafinhas, que não são feitas por eles.

Para compensar a emissão anual de 1,2 milhão de toneladas de gases no processo produtivo do NoCarbon, a Guaraci Agropastoril fará a restauração de uma área da Fazenda da Toca, com o plantio de aproximadamente 7,5 mil árvores nativas.

O próximo desafio é ampliar, com agilidade, a parte produtiva da matéria-prima, já que a demanda pelo produto recém-lançado está acima do esperado, conta o idealizador do projeto. Hoje, a produção na Fazenda da Toca é de 4 mil litros de leite por dia. Além do plano de dobrar a produção própria, os sócios estão em fase de prospecção de seis outros produtores de leite orgânico. Com isso, em um ano, os empresários esperam alcançar 15 mil litros por dia. A parte industrial, acrescenta, fica por conta dos laticínios Salute e Pastora da Fazenda, ambos localizados no interior paulista.

Acesse aqui a matéria na íntegra

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER