Um dos problemas recorrentes na produção leiteira é a incidência de mastite subclínica durante o período seco, que varia entre 45 e 60 dias entre uma lactação e outra.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

Um dos problemas recorrentes na produção leiteira é a incidência de mastite subclínica durante o período seco, que varia entre 45 e 60 dias entre uma lactação e outra. Este tipo de enfermidade é um dos maiores desafios enfrentados pelo setor e causa prejuízos significativos, sendo responsável por quase 70% das perdas na produção de leite.

Uma medida que vem para auxiliar os produtores a reduzir as perdas e prevenir as mastites é a adoção do uso de um selante de teto no período de secagem, como o Mastizone Selante, lançamento da UCBVET Saúde Animal, uma das principais empresas farmacêuticas veterinárias brasileiras. Estudos apontam que ao adotar este manejo, de forma estratégica, é possível reduzir em até 48% os índices de mastites no rebanho, se comparado a animais tratados somente com antibióticos.

O médico-veterinário Marcos Ferreira, gerente de Produto da UCBVET Saúde Animal, explica que após a secagem ocorre a formação do chamado “tampão de queratina”, uma barreira física produzida naturalmente pela vaca para proteção e que age contra a entrada de micro-organismos. No entanto, o tempo de formação do tampão de queratina pode variar entre uma ou duas semanas, sendo este um dos principais fatores de risco para a ocorrência de novas infecções intramamárias, pois o canal do teto fica aberto e sujeito a ação de agentes externos.

“Cerca de 50% das vacas com alta produção permanecem com o canal do teto aberto por até seis semanas após a secagem. Por isso, uma forma ideal para proteger os tetos contra a ação desses agentes se faz com o uso de Mastizone Selante, que é uma estratégia de proteção similar à queratina produzida naturalmente pelas fêmeas. O produto age por ação mecânica, cria uma barreira no teto e impede a entrada dos micro-organismos, reduzindo drasticamente a incidência de infecções”, explica Ferreira.

A orientação do médico-veterinário é administrar o conteúdo de uma seringa (4g), em cada teto, imediatamente após a última ordenha da lactação e assepsia do teto. Além disso, o produtor precisa ficar atento, pois períodos secos maiores que 60 dias prejudicam a futura produção e trazem risco aumentado em 60% os casos de mastite. Já períodos inferiores a 45 dias impedem a regeneração da glândula mamária com risco de queda entre 12 e 15% na produção.

Manejo de secagem

No final da lactação ocorre a involução da glândula mamária, evento fisiológico do animal. Porém, dependendo do potencial de produção de leite, deve-se adotar um manejo de secagem gradual, adotando medidas como: redução do consumo de concentrado e redução do número de ordenhas.

“O período seco prepara a vaca para a próxima lactação sendo necessário uma atenção ainda maior com relação a sanidade, nutrição, manejo, conforto e consumo de matéria seca. Estes fatores garantem o sucesso na fase de transição”, ressalta o médico-veterinário.

Mastites e prevenção

A mastite é a inflamação da glândula mamária, causada principalmente pela ação de bactérias, fungos e leveduras. O animal acometido apresenta queda na produção, tanto de forma quantitativa (litros de leite), como qualitativa (qualidade de leite), e ainda pode apresentar febre e apatia, o que afeta também o seu bem-estar.

A mastite se apresenta em duas formas: clínica e subclínica. Na forma clínica é possível observar alguns sinais como: presença de grumos no leite por meio de teste da caneca fundo escuro, inchaço, vermelhidão e dor na região dos quartos mamários e tetos. Já a forma subclínica os sinais não são visíveis, porém é possível notar a queda da produção do animal e a redução da qualidade do leite, identificada pela realização de testes CMT (California Mastitis Test).

Uma das formas de reduzir os gastos com a mastite é trabalhar na prevenção de novos casos da doença, adotando manejos dentro da fazenda, tais como: teste da caneca de fundo escuro, uso de pré-dipping e pós-dipping (desinfecção dos tetos antes e depois da ordenha), secagem dos tetos com papel toalha, higienização das mãos dos ordenadores e equipamentos de ordenha, assim como a adoção de linha de ordenha sendo fundamental para que as vacas doentes não contaminem as vacas sadias.

Sobre a UCBVET

A UCBVET está entre as dez empresas farmacêuticas veterinárias brasileiras com maior faturamento, segundo o Sindan (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal), com atuação em diversos países das Américas Latina e Central e da África, Oriente Médio, além de todo o território nacional. Atualmente possui, em seu portfólio, 63 produtos em mais de 100 apresentações.

Suas linhas compreendem medicamentos veterinários de ação terapêutica (hormônios, anti-inflamatórios, analgésicos, antitóxicos e reconstituintes orgânicos), antiparasitários (endectocidas, endoparasiticidas e ectoparasiticidas) e antimicrobianos.

A companhia possui fábrica e laboratórios em Jaboticabal (SP), uma unidade de negócios em Ribeirão Preto (SP) e mais de 330 colaboradores. Uma das mais tradicionais e inovadoras empresas do segmento no Brasil, a UCBVET fabrica medicamentos para animais de produção (bovinos, bubalinos, suínos, ovinos, caprinos, equinos e aves) e de companhia (cães e gatos) desde 1917, quando foi criada pelo empresário João Brunini.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER