Queijos de leite A2 - O mercado de laticínios a cada dia busca soluções para facilitar a vida de quem tem restrição ao consumo de leite e seus derivados.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Queijos de leite A2 – O mercado de laticínios a cada dia busca soluções para facilitar a vida de quem tem restrição ao consumo de leite e seus derivados. E foi pensando neste público que a produtora Elimar Cândida Gomes decidiu investir na produção de queijos feitos com leite tipo A2. A dona da queijaria Realeza do Triângulo, em Tupaciguara, no Triângulo Mineiro, por enquanto, é a única que comercializa este tipo de leite na região.

Elimar está tendo um ótimo resultado e pretende expandir a atividade. “Nosso objetivo é aumentar a produção e conseguir também a certificação do leite A2A2”, conta. Produzindo cerca de 150 litros de leite por dia, a pecuarista não teve nenhuma dificuldade no manejo das vacas da raça Gir, com genótipo A2A2.

De acordo com a extensionista da Emater-MG, Cíntia Maciel Moreira, este tipo de rebanho não exige cuidado especial já que a diferença está relacionada à genética. No entanto, é importante realizar a ordenha separada, caso exista também animais de genótipo diferente, e ter cuidados em relação ao cruzamento, para que não ocorra perda das características.

A extensionista explica que para saber qual o genótipo do rebanho é necessário realizar exames laboratoriais, “sendo que as raças mais propensas são a Zebuína, Guzerá, Sindi, Gir, entre outros. Esses animais podem ser adquiridos também em feiras”, ressalta.

O gado A2A2 não possui um preço diferenciado no mercado e a demanda por parte dos laticínios ainda é pequena. Assim, o produtor que deseja comercializar apenas este tipo de leite, pode realizar o beneficiamento do produto e derivados na própria fazenda, como faz Elimar.

A diferença do leite A2 

Os rebanhos podem apresentar três tipos de genótipos para a produção de beta-caseína, que é uma proteína do leite. São eles: A1A1, A1A2 e A2A2. Os animais de genótipo A1A1 e A1A2 produzem leite com a beta-caseína A1 e A1A2, respectivamente. Já aqueles com genótipo A2A2 produzem leite somente com a beta-caseína A2.

Segundo o gastroenterologista, André Alfredo, à beta- caseína A1 é responsável pelo desconforto que muitas pessoas sentem ao ingerirem leite e derivados. Assim, esses pacientes apresentam intolerância à esta substância.

O leite A2, por não ter esta proteína, não provoca essas reações. “A beta-caseína A2, por ser de fácil digestão, possibilita que as pessoas que têm restrição a beta- caseína A1 consigam consumir lácteos sem sentirem incômodos”, explica.

O médico alerta que muitos pacientes diagnosticados como intolerantes à lactose, podem estar reagindo à proteína A1. Por isso, é importante procurar um profissional para fazer uma verificação mais aprofundada e obter um diagnóstico correto, podendo assim consumir o produto mais adequado para o tipo de restrição.

Assessoria de Comunicação da Emater-MG

Jornalista responsável: Gisele Flor

Acesse aqui a matéria na íntegra

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER