Leite/América do Sul – Nas duas últimas semanas, o clima mais seco melhorou o desenvolvimento e a qualidade dos grãos, oleaginosas e algodão na Argentina. Ao mesmo tempo, as chuvas ajudavam o milho ainda não maduro no Brasil.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Leite/América do Sul – Nas duas últimas semanas, o clima mais seco melhorou o desenvolvimento e a qualidade dos grãos, oleaginosas e algodão na Argentina. Ao mesmo tempo, as chuvas ajudavam o milho ainda não maduro no Brasil.

Com a safra de milho significativamente maior (safrinha) ocorrendo, principalmente no Brasil, diversos produtores de leite sul-americanos estão prevendo certo alívio no custo da alimentação.

No acumulado do ano, a produção de leite na região do Cone Sul, incluindo o Brasil, permaneceu abaixo dos volumes dos últimos dois anos. No entanto, no momento, a captação está tendo melhoras constantes, o que é comum nessa época do ano. Em termos de componentes do leite, o percentual de gordura está nos maiores níveis sazonais e a proteína continua melhorando. Os pedidos de leite fluido continuam intensos, pois, muitos varejistas estão refazendo os estoques. De um modo geral, a oferta de leite e creme está sendo menor do que o necessário para a produção de queijo, manteiga, iogurte e leite condensado. No entanto, a expectativa da indústria é de que os volumes de leite/creme continuarão subindo nos próximos dois trimestres, o suficiente para cobrir as necessidades das fábricas.

 

 

Dados sobre os principais indicadores para a cadeia produtiva do leite como preços do leite no mercado brasileiro e internacional, relação de troca ao produtor, balança comercial brasileira de leite e derivados.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER