Estudo feito em propriedade no município de Alta Floresta atestou eficiência do produto orgânico
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Estudo feito em propriedade no município de Alta Floresta atestou eficiência do produto orgânico

O babaçu é uma palmeira utilizada de forma ampla e diversa pelas populações da região norte do Brasil, incluindo a região da Amazônia em Mato Grosso. As folhas, a casca, o caule, amêndoas e até a polpa são matéria prima para a confecção de artesanatos e utensílios, produção de cosméticos, moradias tradicionais e na alimentação.

Agora, a espécie soma mais uma utilidade.

O farelo do mesocarpo, a polpa que fica entre a casca e a amêndoa do fruto de babaçu, é eficiente na alimentação de gado de leite e alternativa sustentável aos compostos convencionais, feitos à base de milho e soja.

Isso é o que apontou o resultado é de um experimento realizado pelo Instituto Centro de Vida (ICV) em parceria com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). O estudo atestou a qualidade e produtividade do leite em vacas alimentadas com o composto da palmeira.

A pesquisa foi feita em uma pequena propriedade da área rural de Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá.

Pesquisa e resultados

Foram utilizadas 14 vacas em fase de lactação. Metade recebeu a ração convencional (feita de farelo de soja, milho e sal mineral) e a outra metade teve 35% do composto substituído pela ração com o farelo de babaçu.

Com as amostras da silagem, concentrados, fezes e urinas dos animais, foram medidos os índices de produção, lactose, gordura e proteína do leite, além do consumo e digestibilidade da matéria seca.

“Os resultados indicaram que a inclusão de 35,6% de farelo de babaçu na ração foi capaz de suportar produção diária média de leite de 18,2 kg/dia, enquanto a ração convencional produziu 19,8 kg/dia”, aponta.

O diferencial, no entanto, foi que o concentrado à base de farelo de babaçu teve menor consumo de matéria seca. A ração utilizada convencionalmente é feita a base de milho e soja, commodities cujos preços flutuantes prejudicam a produção leiteira familiar.

Divulgação

Conhecimento tradicional

O uso do babaçu para alimentação animal na região não é novidade. O farelo, um subproduto do processo de beneficiamento do óleo da palmeira, é tradicionalmente fornecido a galinhas e porcos, animais criados para subsistência nas comunidades rurais.

A prática já tradicional é que motivou a experimentação do composto na produção de leite, principal atividade da agricultura familiar na região. Para isso, foi utilizado o farelo produzido pelo Grupo de Mulheres Unidas, do Projeto de Assentamento Nova Cotriguaçu, localizado no município de Cotriguaçu.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER