Em Setembro, os produtores leiteiros de Villa Clara tinham entregue apenas 53% do leite que o governo cubano esperava, um total de cerca de vinte e um milhões de litros em comparação com os trinta e nove que os contratos tinham estipulado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Dairy farmers complain there is little feed, water or medications for their cows, which reduces their milk production and sometimes leads to their deaths. (14ymedio)

Em Setembro, os produtores leiteiros de Villa Clara tinham entregue apenas 53% do leite que o governo cubano esperava, um total de cerca de vinte e um milhões de litros em comparação com os trinta e nove que os contratos tinham estipulado. O défice foi noticiado na terça-feira pelo jornal estatal Granma num artigo intitulado “Defaults, Paperwork, Transport and Other Ways to ‘Cut’ Milk”, que analisava as razões da escassez de oferta e do aumento dos preços do leite.

O problema começou em Ciego de Avila, onde menos de metade dos dezoito milhões de litros previstos foram entregues. As promessas não cumpridas do governo estão a piorar a situação. Em Abril, funcionários anunciaram um programa de incentivos: pagaria aos produtores de leite tanto em moeda forte como em pesos por cada litro que vendessem ao Estado sobre o montante do contrato. Mas não há moeda forte porque os produtores não podem facilmente abrir contas bancárias para receber o pagamento, pelo que o dinheiro não vai sair.

Como o artigo da Granma explica, se um produtor de lacticínios não atingir o seu objectivo, recebe apenas 7,50 pesos por litro. Mas se o exceder, recebe 13,00, pelo menos em teoria. No melhor dos casos, no entanto, o pagamento é atrasado.

“Na prática, o que tem acontecido, por diversas razões, é que os agricultores têm de esperar um mês ou mais para serem pagos. Em vez de o entregarem ao Estado, é mais rentável para eles vendê-lo “ao lado”, onde podem obter entre 15 a 25 pesos. Ou transformam-na em iogurte ou queijo, que também exigem bons preços”, explica um produtor citado no artigo.

Roberto Lopez Hernandez, director da Villa Clara Dairy Products Company, afirma no artigo que parte do problema se deve a atrasos na assinatura de facturas, que atribui à Covid-19. Segundo Betsy Arroyo Rafuls, presidente da Associação Nacional de Pequenos Agricultores de Villa Clara, alguns produtores obtiveram o seu dinheiro com quarenta dias de atraso, “o que obviamente os desincentivou”.

Dos 8.000 produtores com contratos estatais, apenas 1.837 cumpriram a sua parte do acordo. Como resultado, milhares de litros de leite e outros produtos lácteos não foram para o mercado racionado. Outra estatística: dos 281 pontos de produção em Villa Clara, 177 (ou 63%) não cumpriram o seu objectivo.

Os aumentos de preços são apenas uma consequência do leite ter sido desviado para o mercado negro. O governo decidiu recentemente que as pessoas com dietas medicamente prescritas deixariam de receber rações suplementares de leite. E outros consumidores estão a substituir os produtos lácteos por iogurte à base de soja e alternativas semelhantes.

Para além do arrastamento dos pés do governo quando se trata de pagar contas, a Granma cita outras causas para as estatísticas desastrosas, entre as quais problemas de transporte. O subdelegado para o gado em Villa Clara, Miguel Rodriguez, afirma que a queda dos preços das colheitas a meio da época da colheita fez com que muitos camionistas deixassem os seus empregos; 188 na província, 36 só em Placetas. Como resultado, os produtores tiveram de pagar aos motoristas dos seus próprios bolsos para evitar perder o seu leite.

Os produtores de leite apontam também a escassez de medicamentos – como um agricultor observa, “uma vaca com febre do carrapato não produz leite” – água e ração como razões pelas quais muitas vacas são subnutridas, não dão à luz e, pior ainda, morrem. Granma argumenta que 7.434 vacas não puderam ser ordenhadas devido à seca em Julho e Agosto.

Rigoberto Rodriguez Fuentes, presidente da cooperativa de crédito e serviços Efrain Hurtado em Manicaragua, não está entusiasmado com a decisão de adoptar três preços diferentes para o leite. “Não foi uma grande ideia. Criou muita burocracia e burocracia, que não são grandes motivadores para os agricultores que precisam de ser pagos no momento da entrega”, diz ele.

No seu blogue Cubaeconomía, o economista cubano Elias Amor, sediado em Madrid, decompõe os pontos-chave do artigo da Granma. Ele cita um dos agricultores citados na peça, que resume a situação melhor do que qualquer perito:

“‘Pensavam que aumentar o preço deste produto alguns pesos resolveria automaticamente o problema do gado e as entregas de leite aumentariam automaticamente, o que não é o caso’. Como há muito temos dito neste blogue, se o [Presidente] Diaz-Canel ouvisse mais os camponeses cubanos, descobriria o que tem de ser feito para produzir mais”, escreve Amor. Ele acrescenta que as realidades técnicas e de produção, bem como as forças de mercado, são imunes a muitas das decisões que o governo toma.

“O controlo dos preços, os atrasos nos pagamentos e os atrasos burocráticos são obstáculos que afectam a produção de leite cubana e impedem que as necessidades dos consumidores e da indústria sejam satisfeitas. A agricultura é o sector económico mais dependente do Estado. Chegou talvez o momento de a reestruturar para funcionar livremente?” pergunta Amor.

A crise do leite tem uma longa história. Nas últimas décadas, o governo achou muito difícil fornecer o “pequeno copo de leite” que prometeu ao consumidor cubano. A situação tem vindo a agravar-se nos últimos meses. Hoje é Villa Clara; há duas semanas era Ciego de Ávila.

Há apenas um mês, foi noticiado que nenhum produtor de leite na província de Camaguey, o principal produtor de gado da ilha, tinha entregue mais de oito litros de leite ao estado. Quando a cooperativa Evelio Rodriguez Curbelo em Jimguayu conseguiu produzir um milhão de litros de leite de vaca, os meios de comunicação estatais retrataram-no como um grande sucesso. No entanto, se tivermos em conta o número de bovinos envolvidos, o resultado é devastador, apenas 1,1 litros por dia por animal, em comparação com 25 para uma vaca em Espanha.

Traducción: DeepL

 

O preço médio da cesta de derivados lácteos variou negativamente no mês de novembro/2021. Na média ponderada, a retração foi de 7,21%, em relação dos preços observados pela indústria de laticínios no mês anterior. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (29/11) no Boletim de Mercado do Setor Lácteo Goiano.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER