Elevação acontece em meio ao “boom” no preço do leite, ocasionado por crise econômica da pandemia, guerra na Ucrânia e período de seca.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Preço
Preço da manteiga encarece 30% no último ano em Salvador

Um pãozinho torrado, ovos bem mexidos ou simples cuscuz. O café da manhã tão tradicional na mesa de todo baiano tem sofrido adaptações devido à alta nos preços de alimentos nos últimos meses, sobretudo, da manteiga, item indispensável no dia a dia. O preço do produto encareceu 30,41% nos últimos 12 meses em Salvador, sendo possível encontrar um pote de 500g por R$ 37,04 – conforme pesquisa no Preço da Hora. O índice supera até mesmo a taxa de inflação geral acumulada no último ano, de 8,87%, apontam dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O economista Guilherme Dietze, consultor econômico da Fecomércio-Ba, diz que múltiplos fatores constroem o cenário de alta para a manteiga, de modo igual para outros derivados do leite. Ele explica que o preço de commodities – produtos básicos a exemplo da soja, milho e trigo, que são componentes da ração animal – cresceram por conta da crise econômica na pandemia. Assim como devido à guerra da Ucrânia, visto que os dois países envolvidos são exportadores de insumos. O resultado do cenário culminou em baixa oferta dos grãos para alimentação dos bovinos.

Dietze ressalta que, no Brasil, ainda houve período de estiagem no último ano. Com a seca, produtores precisaram complementar alimentação do pasto justamente com ração – já inflacionada pela baixa oferta e alta demanda global – fazendo com que o custo de produção do leite e derivados ficassem ainda mais caros. “O IBGE mostra redução na produção de leite e disparada de preço”, relaciona.

Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), a manteiga (1,49%) é um dos quatro produtos que compõem a cesta básica e tiveram aumento em setembro, na capital. Completam a lista a farinha de mandioca (1,59%), café em pó (0,49%) e arroz agulhinha (0,38%). Houve aumento no valor médio do quilo da manteiga em 14 das 17 capitais no último mês. As taxas variaram entre 0,19%, em Brasília, e 5,44%, em Campo Grande.

Para o economista Gustavo Palmeira, do DIEESE, a menor oferta de leite no campo e consequente aumento do preço dos derivados está mais ligada à questão climática e período de entressafra do que ao contexto da Ucrânia, Segundo ele, existe a possibilidade de influência internacional, porém, é preciso confirmar que a ração utilizada para produção de leite é derivada de trigo – produto o qual Rússia e Ucrânia são grande produtores.

O economista ainda relaciona o aumento do custo na produção de leite ao câmbio, que tornou mais cara a compra de insumos que dependem de matéria-prima importada, como os fertilizantes, suplementos minerais e medicamentos.

Na mesa do café da manhã, o item não foi o único a amargar o aumento do preço. De acordo com o IBGE, a variação acumulada dos últimos 12 meses do leite longa vida chegou a 61,5% e a do café moído chegou a 46,49%. O pão francês foi o produto que teve o menor índice nesse período, com 19,67%.

Adaptações
Por conta dos preços, consumidores têm escolhido cortar o produto, trocá-lo pela margarina ou diminuir o consumo. A dona de casa Marlucia Omena, 77, conta que comia com frequência alimentos com manteiga, mas já pensava em cortar por questão de saúde em razão do colesterol. Com o aumento do preço, ela finalmente parou de comprar manteiga e foi adaptando as receitas.

“Eu amava manteiga, comia pão com manteiga, bolacha com manteiga, era mortadela frita na manteiga, aipim, cuscuz, tudo tinha que ter manteiga. Hoje só como manteiga quando outra pessoa faz a comida. Em casa não uso manteiga de jeito nenhum. Até que me acostumei a comer pão com creme de ricota ou patê de frango, bolacha já não como mais e cuscuz agora é com leite”, ressalta.

Para adaptação, a dica que o economista Antonio Carvalho dá é justamente reduzir o consumo – em caso de itens não essenciais – para alertar os fornecedores sobre a expectativa de preço dos consumidores. “É a forma que consumidor tem [protestar], quando para de comprar, o fornecedor percebe e entende que preço que está cobrando não está sendo aceito”, avalia.

Já a nutricionista Barbara Dias Severo alerta que é importante estar atento ao consumo da margarina, que pode ocasionar o aumento das chances de ter derrame e infarto. E, embora a manteiga seja menos prejudicial à saúde, a substituição deve ser moderada em razão do produto ser rico em gorduras saturadas e colesterol. “O maior substituto da manteiga hoje é o óleo de coco, tem valor biológico muito melhor por ser fonte de gordura vegetal”, indica.

Após alta de 66%, preço do leite tem queda na capital 
Dados do DIEESE revelam que o preço do leite integral diminuiu em 16 capitais durante setembro, inclusive, em Salvador (2,15%). A queda vem após o acumulado dos últimos 12 meses marcar aumento de 66,15%.

O economista Gustavo Palmeira, do DIEESE, explica que, como a produção de leite requer menos processos e tempo para venda, o ajuste do preço é mais rápido do que dos derivados, que passam por mais etapas de produção até chegar no consumidor final. É esperado, portanto, que o iogurte, manteiga e queijo também reduzam os valores, contanto que o cenário continue o mesmo para o leite.

Queijo, iogurte, leite Fermentado, manteiga, creme de Leite, leite Condensado, requeijão e cream cheese são alguns dos derivados do leite Foto: reprodução

Em consonância, o preço da cesta básica na cidade de Salvador foi a capital com a segunda cesta básica mais barata (R$ 560,31) entre as capitais pesquisadas pelo Departamento, a cidade apresentou variação negativa de -2,88%, em relação a agosto. Contudo, na variação acumulada ao longo do ano, a elevação foi de 8,12%.

No mesmo mês, o trabalhador de Salvador remunerado pelo salário mínimo precisou trabalhar 101 horas e 43 minutos para adquirir a cesta básica. Em agosto, o tempo de trabalho necessário foi de 104 horas e 43 minutos, e, em setembro de 2021, de 95 horas e 46 minutos.

Boletim de Preços
Informe com análise e acompanhamento das variações de preços de indicadores de interesse da cadeia do leite.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER