O valor de referência projetado para o preço do leite ao produtor em julho é de R$ 1,7086, 1,35% abaixo do consolidado de junho (R$ 1,7319), informa o Conseleite RS, em nota divulgada nesta terça-feira (27).
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O valor de referência projetado para o preço do leite ao produtor em julho é de R$ 1,7086, 1,35% abaixo do consolidado de junho (R$ 1,7319), informa o Conseleite RS, em nota divulgada nesta terça-feira (27).

“Os dados apresentados pelo Conseleite levam em conta os primeiros 10 dias do mês e refletem o início da safra, aliado a um período de custos elevados no campo e na indústria, o que garantiu estabilidade de preços”, diz a nota.

Segundo o professor da Marco Antônio Montoya, da Universidade de Passo Fundo (UPF), o contexto de insumos em alta deve segurar os preços em um patamar mais estável durante a safra, garantindo um cenário atípico com dois anos seguidos de valores mais altos (2020 e 2021). “Os gráficos mostram o impacto da pandemia, com valorização do preço do leite puxado pela elevação das commodities no mercado internacionais.”

Lideranças dos produtores indicam que grãos, silagens, medicamentos e arrendamento de terras tiveram reajustes, prejudicando a margem da atividade leiteira. Situação similar à vivenciada pela indústria, com alta de embalagens, insumos, combustíveis e, principalmente, pela necessidade de repasse aos produtores.

“Precisamos que os preços do leite ao mercado consumidor permaneçam nesses níveis. Depois de um primeiro semestre operando sem margens na indústria, o setor está no fio da navalha. Não há como voltar ao preço do leite de um ano atrás”, ressaltou o coordenador do Conseleite, Alexandre Guerra.

Ainda de acordo com o Conseleite, as dificuldades de receita fizeram com que muitos criadores deixassem a atividade nos últimos meses, o que, de certa forma, deve evitar excedentes demasiados na safra. “A opção foi substituir o leite por atividades mais lucrativas, como o cultivo de grãos e oleaginosas”, pontua a nota.

Enquanto isso, ressalta o Conseleite, o setor segue o debate na tentativa de enxugar custos. “Uma das opções debatidas durante a reunião do Conseleite foi a ampliação do uso de pastagens cultivadas, o que reduziria os desembolsos com grãos e silagem. Apesar da tentativa, os produtores alegam que o desenvolvimento está aquém do esperado em função de fatores climáticos.”

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER