As fortes altas no preço do leite pago ao produtor nos dois últimos pagamentos favoreceram a margem da atividade, mesmo com os aumentos nos custos de produção. 
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

As fortes altas no preço do leite pago ao produtor nos dois últimos pagamentos favoreceram a margem da atividade, mesmo com os aumentos nos custos de produção.

Considerando a média nacional ponderada, calculada pela Scot Consultoria, o incremento neste período foi de 13%. No acumulado do ano, a cotação do leite está 14,9% maior.

Os custos de produção subiram neste ano, mas não acompanharam o avanço observado nos preços do leite pago ao produtor.

Segundo o Índice de Custos de Produção de Leite da Scot Consultoria, os custos aumentaram 7,6% frente ao início do ano. Mas, no período referente aos dois últimos pagamentos do leite ao produtor, os custos caíram 0,3%.

Na comparação feita ano a ano, os preços ao produtor estão 16,1% maiores e o custo de produção subiu 15,9%.

Na figura 1 apresentamos as variações dos preços do leite (média nacional), custo de produção e a inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 2020.

A cotação do leite superou a inflação, exceto no pagamento de maio (referente à produção de abril), quando a demanda caiu fortemente por causa da pandemia, pressionando para baixo o mercado do leite.

A partir de então, o consumo dos lácteos melhorou, provavelmente estimulado pelo auxílio emergencial. Esse fator e a menor produção no campo, permitiu que as cotações do leite e derivados ganhassem força.

Com isso, em julho, a margem da atividade leiteira (base 100 em janeiro/20), ficou em 20,9%, e foi a melhor desse ano. Observe que de janeiro a junho, as variações no preço do leite ao produtor ficaram abaixo das variações do custo de produção.

Figura 1.
Variação do preço do leite (média nacional), custo de produção e IGP-DI, em 2020. Base 100 = janeiro de 2020.
Fonte: FGV / Scot Consultoria 

Custo de produção – com que se preocupar

Os alimentos concentrados, com destaque para o farelo de soja e para o milho, têm forte participação no custo de produção, principalmente na seca, quando a exigência de suplementação é maior.

O câmbio, fator importante na precificação desses insumos, precisa ser monitorado.

Outro ponto importante, são os preços dos fertilizantes, que subiram com a desvalorização do Real e por causa da maior demanda em função do próximo plantio da safra de verão.

Veja na figura 2 as variações nos preços dos insumos, câmbio e Indice Scot Consultoria de Custo de Produção do Leite, considerando janeiro de 2020 como base 100.

Figura 2.
Variação da cotação do milho (Campinas-SP), farelo de soja (São Paulo) e dólar e do índice do custo de produção da pecuária de leite. Base 100 = janeiro de 2020.


Fonte: Banco Central do Brasil / Scot Consultoria.

Expectativas para os próximos meses

Com o cenário de preços firmes para o milho, farelo de soja e fertilizantes, as despesas com alimentos concentrados e adubos aumentaram pressionando o custo de produção.

O aumento da exportação de milho, o consumo interno, e a comercialização antecipada dessa safra, que diminuiu a pressão de baixa por causa da colheita, são os fatores que contribuem com esse quadro.

No caso do farejo de soja, a maior concorrência pela soja em grão por causa da menor disponibilidade (entressafra), associado à demanda interna aquecida e às exportações com bom desempenho ditam o ritmo de alta para o grão e refletem diretamente nos preços do farelo.

Em relação aos preços do leite ao produtor, a expectativa é positiva com o suporte da boa demanda por lácteos em função da menor oferta de leite cru. Com isso, a tendência é de preços firmes para os pagamentos de agosto e setembro, o que deve aliviar o custo de produção.

O quadro favorável para os preços dos principais alimentos concentrados para os próximos meses e para 2021, demanda uma boa estratégia para garantir a compra desses insumos de forma a otimizar a margem da atividade.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER