Baixa qualidade das pastagens com estiagem, aumento dos custos de produção e os efeitos da pandemia de Covid-19 explicam aumento nos preços, segundo pesquisa.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Preço do litro de leite acumula alta de mais de 40% no ano

Uma pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Universidade de São Paulo (USP) em Piracicaba (SP) mostra que, desde o início do ano, o preço do litro do leite no campo acumula alta de mais de 42,9%. O avanço foi mais acentuado entre os meses de junho e agosto, e o reflexo chegou aos consumidores, que já pagam mais de 10% no alimento.

A baixa qualidade das pastagens em decorrência da estiagem, o aumento dos custos de produção e os efeitos associados à pandemia de Covid-19, que resultaram em mais consumo de leite e derivados, explicam essa alta no preço, de acordo com o Cepea.

Preço do leite sobe mais de 40% no campo, diz Cepea/USP — Foto: Reprodução/EPTV

Preço do leite sobe mais de 40% no campo, diz Cepea/USP — Foto: Reprodução/EPTV

Alta nas prateleiras

Em um supermercado de Piracicaba, o preço do litro do leite longa vida varia de R$ 3,48 a R$ 4,99. As clientes Lurdes Gandra e Adriana Marça já perceberam essa alta. Semanas atrás elas pagaram pelo litro do leite longa vida R$ 3,59. Desta vez, o mesmo produto custou R$ 4,09, diferença de quase 17%.

“A gente tem que comprar, porque realmente ele é essencial né, mas a gente pesquisa mais, e se encontrar uma oferta boa, a gente compra uma quantidade maior, que é pra garantir o leite do mês”, comenta Lurdes.

“No final do mês, você faz as contas e vê que está sempre aumentando né, não está nada estabilizado na conta do mês”, completa Adriana.

Na padaria, que também fica em Piracicaba, o consumo médio de leite por dia é de 25 litros. O produto é essencial na fabricação de bolos, pudins e no café. A gerente conta que o aumento do leite forçou um realinhamento de preços.

“A gente teve que repassar um pouco para os nossos produtos e a gente tem procurado preços melhores para a nossa produção”, explica Irani Carlson Oliveira.

Preços devem cair

A boa notícia pro consumidor é que, com o fim do período de estiagem, a tendência é a queda de preços nos próximos meses.

“Esse movimento de alta deve perder já em setembro, isso porque é o final da entressafra, então a captação vem se recuperando, e também a indústria tem aumentado a importação de lácteos para diminuir a competição entre elas para compra de matéria-prima e também pra conseguir ter um maior volume de estoque pra fazer as negociações”, explica a pesquisador do Cepea, Natália Grigol.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER