"> Preço do leite tem queda de R$0,30 centavos em julho e ameaça atividade em Goiás; encontro busca estratégias - eDairyNews-BR
A Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), afirma que o preço do leite teve redução de mais de R$0,30 centavos no período de junho a julho deste ano.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

 

A Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), afirma que o preço do leite teve redução de mais de R$0,30 centavos no período de junho a julho deste ano. Com a queda os produtores se sentem desmotivados a continuar com a atividade em Goiás.

No mês de junho deste ano, o produtor de leite em Goiás recebeu o valor que variou entre R$ 1,05 a R$ 1,70 por litro de leite.  Com o período de  entressafra, os gastos aumentam e com o anúncio de queda feito pela indústria a situação financeira fica tensa.

Em entrevista ao Diário de Goiás, o deputado estadual Amauri Ribeiro, aponta que em junho a redução foi de R$0,10 centavos e para julho de R$0,30. “Isso representa mais que o lucro que o produtor de leite tem na sua produção. O produtor de leite vive de centavos e os laticínios sem nenhuma justificativa, porque nós também não vendemos leite, entregamos. No dia do pagamento anunciam que nós teríamos uma redução de R$0,30 centavos e isso é um absurdo”, ressalta.

Para o deputado, “o produtor de leite não consegue sobreviver sem ter uma estabilidade no preço do produto. Não conseguimos trabalhar sem fazer um planejamento porque não sabemos o preço que vamos receber no fim do mês”, explica.

Segundo Amauri, os laticínios fazem parte de uma cadeia de produção de leite que é formada pelo produtor, laticínios, varejo e consumidor. “Há décadas que o produtor de leite vive dessa falta de respeito e nós não vamos mais aceitar isso”, disse.

Ainda de acordo com o deputado, o caminho é buscar ajuda junto ao governo federal. “Buscar uma política justa e que atenda o produtor de leite. Milhares de produtores já abandonaram a produção, existe um levantamento que a cada hora cinco dos seis produtores abandonam a profissão. As pessoas fazem investimento e no final do mês não temos uma garantia do preço que vamos receber, e sem falar que atrás do produtor tem uma cadeia, de ração, de ordenhadeiro, a fábrica, toda uma estrutura é montada entorno do produtor”.

A justificativa dada pela indústria, diz Amauri são apenas “desculpas”. “A indústria diz que diminuiu o consumo que tem muito leite importado entrando, essa é a desculpa, mas na maioria das vezes a indústria não dá justificativa ao produtor, simplesmente anuncia a queda”, afirma.

 

Em busca de políticas públicas para o setor

Comissão de Pecuária de Leite da Faeg realiza um encontro nasegunda-feira (22/07), no auditório da Federação, a partir das 10 horas, aonde são esperados 400 produtores de leite que discutirão estratégias e ações para mudar essa realidade e fazer com que se minimizem os prejuízos sofridos pelo setor.

O vice-presidente institucional da Faeg, Eduardo Veras, coloca que o encontro é para debater essa queda “catastrófica” nos preços. “Nesse encontro vamos discutir justamente a questão que assola a pecuária, essa queda do mês de junho para julho em mais de 0,30 centavos para o produtor de leite e isso é uma verdadeira catástrofe financeira para o setor”, ressalta.

“A gente busca uma explicação e essa reunião é justamente para traçar estratégias para que o setor possa ter um socorro se não o produtor vai ficar cada vez mais endividado e vamos ter cada vez mais produtores abandonando a atividade”, acrescenta Veras.

Estarão presentes os representantes dos sistema Faeg/Senar, do legislativo, o governador Ronaldo Caiado, produtores de outros Estados e um representante do Ministério da Agricultura, além de outros líderes do setor.

O vice-presidente, aproveita para convidar todos os produtores de leite a participar do evenro. “Nos conclamando todos os produtores para que estejam no dia 22 as 10 horas na sede da Faeg para discutir essa pauta tão importante. Temos que traçar políticas públicas para justamente estruturar essa cadeia como um todo, que tenha uma competitividade maior para exportar para o mercado internacional e com isso favorecer o mercado”, conclui.

 

Veja a programação

– 10h às 10h30 – Abertura da Reunião – José Mário Schreiner – Presidente da FAEG e José Renato Chiari – Presidente da Comissão de Leite;

– 10h30 às 11h – Esclarecimentos referentes à IN 76 e IN 77 – MAPA;

– 11h às 12h –Acordo Mercosul/União Europeia – Desafios e Oportunidades para o Setor Lácteo – OCB e Superintendência de Relações Internacionais da CNA;

– 12h às 12h30 – Espaço para perguntas

– 12:30 às 13:30 – Almoço

– 13h30 às 15h – Assembleia dos Produtores de Leite do Estado de Goiás

É a primeira vez na história que uma carga de leite brasileiro é exportado para a China. Cooperativa gaúcha é a responsável pelo feito.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER