Fetag reclama que produtor segue recebendo menos. Empresas colocam o consumo elevado como fator para o aumento
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Fetag reclama que produtor segue recebendo menos. Empresas colocam o consumo elevado como fator para o aumento

Há aproximadamente um mês, o preço do litro de leite UHT – também conhecido como longa-vida – disparou nos supermercados do Estado. Em levantamento na manhã dessa quarta-feira, 15, a Gazeta do Sul encontrou o produto sendo vendido por R$ 3,98 (veja quadro) a marca mais cara. A baixa na produção causada pela estiagem e a compra em grandes volumes no início do período de distanciamento social são as explicações da indústria para o reajuste – que atinge apenas o consumidor.

Nas prateleiras dos supermercados santa-cruzenses, o preço oscila entre R$ 2,99 e R$ 3,98, da marca mais barata à mais cara. Conforme a Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag), o valor final chega a ser 200% maior que aquele pago ao produtor de leite, que segue enfrentando dificuldade no campo. “O preço médio pago pelo leite de qualidade, para grandes propriedades, é de R$ 1,35 por litro, no máximo. Há quem receba entre R$ 1,10 e R$ 1,20”, denunciou o presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva.

Por conta da estiagem que castiga o Estado desde novembro do ano passado, o volume de pastagens encolheu junto com as espigas de milho, que torraram ao sol, inviabilizando a produção de silagem para o gado leiteiro. “O custo de produção aumentou 35% por conta do emprego de ração na alimentação dos animais”, destacou Joel da Silva.

A Fetag lançou nessa quarta-feira, 15, um manifesto no qual esclarece que a escalada de preços no leite UHT não é culpa da produção. A alta, segundo a entidade, está entre a indústria e o varejo, que são as pontas da cadeia produtiva e fazem o leite chegar à casa do consumidor. “Outro elemento importante é que os agricultores apenas têm conhecimento do valor que receberão pelo litro de leite 45 dias após a entrega do produto à indústria. Deste modo, queremos deixar claro que não é o produtor que coloca o preço”, reforçou o dirigente por meio do manifesto da Fetag.

Estiagem e custo de processamento

O secretário-executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), Darlan Palharini, explicou que o período de entressafra, entre abril e agosto, geralmente baixa a quantidade de leite em 700 mil litros por dia. “A estiagem, que se agravou em dezembro do ano passado, reduz a produção em 2 milhões de litros por dia”, disse.

O dirigente revelou que este é um dos motivos para a elevação do custo do leite longa-vida. O segundo fator está na forma de distribuição do produto no Estado. Segundo o dirigente, redes menores de supermercado tendem a comprar lácteos de atacados e distribuidoras. Por conta disso, o preço pago em uma carga acaba sendo maior do que as negociações de grandes redes.

O custo de processamento também é uma explicação do segmento. Palharini destacou que o preço da embalagem, cotado pelo dólar, está em R$ 1,20, elevando os gastos para a produção. “Isso tem um pouco a ver com a pandemia do coronavírus, responsável pela alta do dólar nas últimas semanas.” O Conseleite – órgão formado por indústria, produtores e governo – se reúne no dia 28 para discutir o preço médio ao produtor. Segundo Palharini, o valor pago à produção varia entre R$ 1,10 e R$ 1,60, dependendo da qualidade e da quantidade.

Responsabilidade é da indústria, segundo o varejo

A Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) confirmou que o leite é o produto que mais subiu no Rio Grande do Sul no último mês. Segundo a entidade, dois fatores colaboraram para o reajuste – um deles, o consumo, que baixou os estoques das lojas a partir da segunda quinzena do mês de março.

O presidente da Agas, Antonio Cesa Longo, disse que o reajuste do leite começou na primeira semana do isolamento social, mas esta não é a justificativa. “Entre os meses de abril a agosto, no período da entressafra, o preço sobe. Houve um ano em que o valor do litro chegou a R$ 5,00 em algumas áreas do Estado”, confirmou.

Após o consumo mais alto, a indústria reajustou na faixa de 40% o preço do litro do leite longa-vida no Rio Grande do Sul. Este reajuste, segundo Longo, foi repassado ao consumidor nos supermercados nos últimos dias.

VALORES POR MARCA

Elegê – de R$ 2,99 a R$ 3,59
Languiru – de R$ 3,09 a R$ 3,48
Dália – de R$ 2,99 a R$ 3,39
Santa Clara – de R$ 2,99 a R$ 3,85
Piá – de R$ 3,19 a R$ 3,98

IMPORTANTE: pesquisa realizada na manhã dessa quarta-feira, 15, entre 11 horas e meio-dia, em cinco lojas de redes de supermercados instaladas em Santa Cruz do Sul.

Tendência é que falte matéria-prima com possível desistência da atividade leiteira

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER