A sustentação vem da perspectiva de menor oferta nesta primeira safra, em função do clima desfavorável, e do ritmo aquecido das exportações
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A sustentação vem da perspectiva de menor oferta nesta primeira safra, em função do clima desfavorável, e do ritmo aquecido das exportações

Os preços do milho continuam firmes na maior parte das regiões acompanhadas pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), mesmo diante do avanço da colheita da safra de verão.

Na região de Campinas (SP), por exemplo, o indicador Esalq/BM&FBovespa fechou a R$ 41,65 a saca na sexta-feira, 22, alta de 1,3% frente a semana anterior. No acumulado deste mês, a elevação chega a 5,9%.

Segundo pesquisadores do Cepea, a sustentação vem da perspectiva de menor oferta nesta primeira safra, em função do clima desfavorável, e do ritmo aquecido das exportações. Esse contexto mantém os vendedores retraídos do mercado, enquanto outros negociam apenas pequenos lotes e esperam maiores valorizações.

Além disso, muitos produtores estão com as atenções voltadas ao andamento da colheita. Já compradores estão mais ativos, com necessidade de repor estoques no curto prazo, o que, inclusive, impulsiona o movimento de alta dos preços em algumas regiões. Nesse cenário, as negociações no mercado interno estão lentas.

O preço médio da cesta de derivados lácteos variou negativamente no mês de novembro/2021. Na média ponderada, a retração foi de 7,21%, em relação dos preços observados pela indústria de laticínios no mês anterior. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (29/11) no Boletim de Mercado do Setor Lácteo Goiano.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER