A genética, a sanidade agropecuária e a qualidade da produção são fundamentais para o equilíbrio da cadeia leiteira num contexto desafiador.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A genética, a sanidade agropecuária e a qualidade da produção são fundamentais para o equilíbrio da cadeia leiteira num contexto desafiador. A afirmação foi feita pelo secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, durante a cerimônia de premiação dos destaques 2019, 2020 e 2021 da Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH).

O evento, que aconteceu na noite de sexta-feira (25), em Carambeí, nos Campos Gerais, homenageou produtores e evidenciou como a pesquisa e desenvolvimento de novos softwares são aliados na busca por maior competitividade. A cerimônia também contou com a presença do diretor-presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Otamir César Martins.

Ortigara citou desafios como o contexto político-econômico, a pandemia e a seca que o Paraná enfrenta nesta safra e que já custou aproximadamente R$ 30 bilhões aos agricultores.

“O agro, durante a pandemia, não parou nem um dia. Diante de custos e cuidados aumentados, precisou se reinventar. Vamos nos recuperar pelo trabalho. Nosso desafio é continuar fazendo do agro o nosso negócio principal. Reconhecemos o esforço daqueles que produzem com competência apesar dos altos custos desse ano”, afirmou.

Ortigara lembrou que, em maio de 2021, o Paraná conquistou o reconhecimento internacional de área livre de febre aftosa sem vacinação pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), um selo de qualidade sanitária, e destacou a atuação dos servidores do Sistema Estadual de Agricultura, composto pela Seab e suas vinculadas, em parceria com iniciativa privada e entidades do setor.

“Eu desejo que isso represente cada vez mais negócios e presença dos produtos paranaenses, pela nossa qualidade reconhecida e pela capacidade competitiva para abastecer o Brasil e o mundo”, disse. O Estado é o maior produtor de proteínas animais no Brasil.

Prêmios

Na ocasião, o produtor Ronald Rabbers, de Castro, recebeu o prêmio pelo animal Rhoelandt 372 Led Doc Stormatic, que teve a maior produção vitalícia de leite, com 190.107,9 kg, além de 6.252,68 kg de gordura e 5.805,04 kg de proteína.

O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil, com 4,7 bilhões de litros. O volume gera um Valor Bruto da Produção (VBP) de R$ 7 bilhões, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral). Os principais municípios em rendimento são, respectivamente, Castro, Carambeí, Arapoti, Francisco Beltrão e Palmeira.

Associação

A APCBRH tem 69 anos de atuação e coordena o Programa de Análise de Rebanhos Leiteiros (Parleite), iniciativa que  auxilia produtores na avaliação dos animais com indicadores de produção, qualidade do leite, reprodução e nutrição.

O presidente da Associação, Hans Jan Groenwold frisou a parceria com entidades governamentais, cooperativas e iniciativa privada. “Se podemos nos orgulhar de termos uma estrutura moderna para produção de lácteos é porque muitas pessoas dedicaram uma parte de suas vidas para construir o que somos hoje”, disse.

Foram premiadas as mais produtivas vacas das categorias adulta e jovem para dois produtores de Carlos Barbosa.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER