Difícil encontrar alguém que não goste de muçarela, um iogurte, provolone, e tantos outros derivados do leite. Além da boa aceitação entre os consumidores
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Difícil encontrar alguém que não goste de muçarela, um iogurte, provolone, e tantos outros derivados do leite. Além da boa aceitação entre os consumidores, a versatilidade aliada ao processamento caseiro desse lácteo possibilita uma economia que pode chegar a 300%, como é o caso do requeijão cremoso. Na editoria #EducaçãonoCampo desta quarta-feira (19), vamos falar sobre as possibilidades e o valor agregado com o processamento caseiro do leite.

Além do sabor inconfundível e a forte presença culinária, a lucratividade do leite é um ponto que merece destaque. De acordo com a nutricionista Ana Carla da Silva, instrutora do Senar Mato Grosso do Sul, o cálculo é simples. “Levando em consideração que o produtor tem custo em torno de R$ 1,30 por litro de leite, para preparar seis potes de 200 gramas de requeijão cremoso, ele precisa de R$ 9,75. Se fosse comprar no supermercado, ele gastaria aproximadamente R$ 30, ou seja, a economia é de 300%”.

O queijo minas é o mais rentável entre os derivados dos produtos lácteos. “A transformação do leite em queijo exige pouco tempo de exposição, fácil de preparar, já que fica pronto em apenas 3 horas, não exige temperaturas específicas ou mesmo equipamentos complexos. O custo aproximado para fabricar um queijo é R$ 9,50, e ele pode ser vendido por R$ 25 reais, ou seja, lucro de 170%”, complementa.

No plano instrucional do curso ‘Fabricação Caseira de Derivados do Leite’, oferecido gratuitamente pelo Senar/MS, a perecibilidade e a industrialização artesanal são itens abordados. “Existe a preocupação de repassar os cuidados necessários com essa matéria prima, no manuseio, na obtenção, no armazenamento e, ao mesmo tempo, apresentar o quanto é possível agregar valor com o beneficiamento do leite, aproveitando o nível nutricional principalmente no quesito saúde”, acrescenta Ana Carla.

Com carga horária de 24h, a capacitação traz instruções normativas desta cadeia produtiva, processamento, aproveitamento, produção de ricota, bebida láctea achocolatada, queijo temperado, muçarela, iogurte, doce de leite cremoso e barra, além de medidas de segurança no trabalho, meio ambiente, entre outros temas que ajudam na transformação de uma propriedade de leite em uma queijaria.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER