Amadeo Rossa nasceu em Iporã, Santa Catarina. Chegou a Dois Irmãos com 14 anos, junto com o pai e irmãos. Trabalhou na Maide.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Amadeo Rossa nasceu em Iporã, Santa Catarina. Chegou a Dois Irmãos com 14 anos, junto com o pai e irmãos. Trabalhou na Maide. Fez curso de modelista. Chegou a entrar na faculdade de estilista. Mas, aos 31 anos cansou do setor. Já casado, perguntou para a esposa Leonice:
– Será que a gente não consegue fazer outra coisa? Estou ficando louco.
Queria mudar. E, a fim de espairecer, foi passear na Expointer. E foi lá que ele viu um sistema de pasteurização de leite. O irmão Dirceu já havia voltado para a agricultura, e vendia leite em litrão pet, de casa em casa, no bairro São João. Amadeo falou com ele e começaram a organizar uma agroindústria do leite.  Enquanto isso não ocorria, Amadeo seguia na fábrica. E lá ficou até 31 de agosto de 1999, quando sua agroindústria foi aprovada e ele voltou para a colônia, nas terras que tem na Estrada Campo Bom.

Atualmente, Amadeo e a esposa Leonice se dedicam ao negócio do leite. Têm mais de 50 vacas leiteiras que necessitam de cuidados intensos. São animais de alta produtividade, chegando a produzir 50 litros de leite por dia, cada uma delas. “Novilha que produz 40 litros-dia é descartada”, diz Leonice: “não se paga”.
Essa alta produtividade não é de graça. Amadeo e Leonice trabalham de sol a sol em plantações e silagens. Investem sem parar em melhoramento genético do plantel leiteiro.
Tanto trabalho e cuidados, resulta numa produção que chegava em média acima de mil litros de leite por dia. Mas, como todos os produtores rurais, essa realidade mudou abruptamente. E hoje a produção na empresa baixou para 500 litros dia. Caiu pela metade ou até mais.

O que aconteceu? Foi a seca?
Não apenas a seca, diz Amadeo. “Fomos pegos pela seca que não esperávamos. Pelo coronavírus que não esperávamos. E pelos altos preços que também não esperávamos nos insumos, na ureia, no adubo, nas sementes, nos defensivos e em tudo que cerca a cadeia produtiva”.

Mas, e o alto preço do leite?
Amadeo afirma que “para o produtor”, o leite não teve aumento de lucro em seu valor. “Chegou mesmo a baixar”, diz ele. “Essas três dificuldades, água, corona e preço baixo é o que está pressionando e assustando os produtores de leite, neste momento”.

E onde começou a perda?
Na pastagem, diz amadeo. Tivemos uma perda de 80% certo. “Mas não é só na quantidade colhida. É que a grama que não se perdeu, não tem o que precisa ter para nutrir um gado e fazer leite”.
Segundo ele, por causa da seca a planta não tem em quantidade necessária elementos como potássio, proteína e energia. Faltou água. E a água é o veículo que proporciona à planta ter esses elementos fundamentais na nutrição do gado. “Pode se colocar adubo, potássio, nitrogênio, pode se colocar o que quiser, mas se faltar água, falta tudo”, diz Amadeo.
Por falta de uma boa alimentação, o gado da família Rossa que produzia 50 litros dias, está, hoje, produzindo entre 15 e 25 litros. A estiagem causou uma devastadora baixa de 50% na produção leiteira da empresa. E não foi a seca de agora, mas a anterior. O milho plantado em setembro passado e que foi colhido em janeiro, além da perda em quantidade teve uma queda brusca de nutrientes. Amadeo fez silagem com aquele milho e está dando agora como alimento. “Mas essa alimentação está com componentes bem abaixo do que se precisa para bem nutrir o gado”, diz ele, e vem daí a baixa produção na empresa leiteira deles.

Pelo certo, Amadeo deveria comprar alimento para suprir essa carência. Mas o valor da soja está a preço de ouro, e o milho também está a preço de ouro. “Tu te obrigas a tratar o gado com o que tens, mesmo baixando a produção, porque se for comprar para alimentar o gado é quase certo que a empresa vai quebrar”.
É uma balança complicada de equalizar. Se investe em alimento, arrisca falir. Se não investe, a produção cai dramaticamente. E a empresa de Amadeo é um exemplo: dos mais de mil litros normais que diariamente produzia, hoje a produção está em 500 e perigando baixar mais, devido a falta de água escassa, ao preço dos insumos e ao coronavírus, três elementos malignos, que Amadeo elenca como impeditivo do progresso e da agilidade no agronegócio.

Tendência é que falte matéria-prima com possível desistência da atividade leiteira

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER