Nos últimos meses, a situação de rentabilidade das fazendas de laticínios se deteriorou.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
leite
HÁ VARIÁVEIS-CHAVE A SEREM OBSERVADAS NO NEGÓCIO

Durante junho de 2022, o produtor de leite recebeu em média, nacionalmente, um preço de US$47,8/litro, equivalente a US$0,37/litro, o mais alto em dólares oficiais nos últimos seis anos. Entretanto, este preço foi 0,3% menor do que em maio de 2022 e 6,7% menor do que em junho de 2021 em termos de peso constante.

Se esta situação for somada aos aumentos de custo que têm ocorrido ao longo do primeiro semestre, a equação de rentabilidade se deteriorou nos últimos meses. Espera-se que os preços atuais não gerem uma situação positiva para o produtor, e que o alto valor em dólares seja muito provavelmente distorcido pelo atraso da taxa de câmbio.

Além da análise de preços específica realizada para este momento, os produtores devem estar cientes das principais variáveis que influenciam o mercado de laticínios para antecipar seus movimentos e tentar aumentar o poder de venda de seu produto. Em geral, o preço pago ao produtor primário é muito sensível ao que acontece com a oferta e a demanda de matéria-prima.

O fornecimento é composto pela produção de leite cru dos produtores primários, mais os estoques mantidos pela indústria. Sabe-se que os aumentos ou diminuições no fornecimento de leite líquido geram pressão para baixo ou para cima sobre o preço ao produtor. Um exemplo desta situação foi no segundo trimestre de 2016, quando a produção caiu 16,1% em relação ao mesmo período em 2015, enquanto o preço pago ao produtor aumentou 42,6% em relação a junho de 2016 em relação a março do mesmo ano.

Na Argentina, a produção de leite durante os primeiros seis meses de 2022 foi 1% superior ao mesmo período em 2021. Além disso, devido a nossos sistemas de produção, que têm um forte componente de grama nas dietas, juntamente com a estação de partos de outono, estamos entrando em um período em que a oferta de leite está começando a aumentar. De acordo com o que foi dito acima, devemos esperar, nos próximos meses, que o preço pago ao produtor perca em face da inflação.

Variáveis

Ao analisar a demanda, a primeira coisa a saber é como os produtos lácteos argentinos são comercializados. A primeira grande divisão é entre o mercado externo e o mercado interno.

O setor lácteo argentino começou a ganhar importância no mercado internacional no início dos anos 2000 e hoje é o sexto maior exportador de produtos lácteos do mundo.

Historicamente, sempre foi dito que o mercado internacional exigia 20% da produção, embora durante 2021, devido aos bons preços internacionais e à melhoria da produção na Argentina, este mercado tenha atingido quase 24,4%.

É também muito importante saber quais produtos exportamos e sua relação com o preço pago ao produtor. Quanto mais produtos de valor agregado forem incluídos nos embarques, melhor preço o produtor receberá.

Durante os últimos dois anos, a participação do leite em pó no total das exportações foi de 52%, enquanto a do queijo foi de 22% e a dos outros produtos lácteos de 26%. Somente durante o período 2016-2019, a participação do leite em pó nas exportações foi inferior a 50%; isto significou que, em termos comparativos, os produtos exportados foram de maior valor agregado naquele período em comparação com o atual.

Tendência

Os produtores leiteiros que vendem para indústrias cujo principal destino de comercialização é o mercado externo devem seguir este indicador, assim como o preço dos produtos lácteos no mercado internacional.

Por exemplo, durante o mês de julho deste ano, os produtos lácteos sofreram uma queda nos preços mundiais. Se tomarmos como referência o leite em pó integral, que responde por 37% das exportações, podemos ver que ele caiu 7% em comparação com junho. Esta informação marcaria um cenário negativo para o preço a ser pago ao produtor.

Em 2021, os 75,6% restantes do leite eram destinados ao mercado interno e na grande maioria (94%) o principal canal de comercialização era o varejo. Analisar o que está acontecendo com os salários e o consumo no país é importante para entender o comportamento do preço pago ao produtor.

Outras questões importantes quando se trata de compreender a demanda doméstica é ver quais produtos a fábrica para a qual o leite é entregue no mercado. Se for uma indústria que vende sobremesas lácteas, a situação será muito diferente da de outro produtor ligado a uma PME que produz queijo.

Os salários estão intimamente relacionados com o que os consumidores podem comprar no supermercado ou na mercearia. Uma queda em termos reais dos salários afetará principalmente a empresa que vende sobremesas, pois é um bem destinado a um público com alto poder aquisitivo. Isto certamente reduzirá a capacidade de pagar ao produtor naquela indústria.

Estas são algumas das variáveis que nós, como produtores, podemos começar a observar a fim de poder gerar um preço mais competitivo. Há sete anos, o setor tem um volume de dados interessantes, primeiro com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação, e depois com a criação do Observatório da Cadeia Láctea Argentina, o que nos permite ganhar poder ao negociar um preço.

Além das informações, existem outras estratégias que muitos produtores já estão usando hoje para conseguir um preço melhor, como a venda associativa de leite para conseguir um maior volume ou produzir leite com maior conteúdo sólido para melhorar sua composição. Ainda há um longo caminho a percorrer em termos de marketing e transparência no mercado de leite, mas já começam a surgir exemplos positivos em várias bacias do país.

O autor é gerente de laticínios do AZ-Group.

‘Ambrosia da Zezé’ também ganhou medalha no Enel, no mês de julho.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER