Espera-se que o tempo continue a ser um desafio para os produtores onde o fenómeno meteorológico "La Niña" já se instalou em diferentes regiões.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O International Agriculture and Horticulture Development Board (AHDB) divulgou as suas estimativas para a produção global de leite até ao final de 2021, que deverá crescer 1% em relação a 2020. No entanto, espera-se que o clima continue a ser um desafio para os produtores, uma vez que o fenómeno climático “La Niña” já se instalou em diferentes regiões, bem como os custos de alimentação do gado, que continuam a aumentar.

Assim, as previsões de crescimento da oferta global para 2021 são de cerca de 1%, onde embora tanto os EUA como a UE tenham cortado as suas previsões de produção para 2021, isto seria parcialmente compensado pelo crescimento da produção na Argentina e Nova Zelândia, em 2% e 1,9% respectivamente.

Os dados, resumidos pelo Observatório da Cadeia Láctea Argentina (OCLA), indicam que tanto os Estados Unidos como a União Europeia manteriam este ano um balanço de produção favorável de 1,7% e 0,3% respectivamente, mas estas são previsões mais baixas do que as esperadas a meio do ano.

Em linha com o crescimento na Argentina e Nova Zelândia, o Conselho espera que a produção do Reino Unido aumente 0,4% numa base anual e da Austrália cerca de 0,9% para o mesmo período.

Traducción: DeepL

As perspectivas dos fundamentos do mercado apertaram-se ainda mais do lado da oferta no último mês, com o pico de produção na NZ a permanecer mais fraco do que o esperado e a contínua pressão descendente sobre a produção de leite da UE.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER