Aliar tecnologia à gestão da fazenda e à melhora do rebanho é algo indispensável para os pecuaristas que desejam obter bons resultados.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A pecuária leiteira viveu um dos momentos mais desafiadores em 2021, considerado um dos piores anos para o setor. Altos custos de produção, recuo dos preços pagos aos produtores, eventos climáticos adversos e demanda enfraquecida por lácteos em consequência da perda de poder de compra da população provocada pela alta da inflação foram alguns dos fatores que impactaram significativamente a bovinocultura de leite e exigiram uma gestão eficiente para se manter na atividade.

De janeiro a novembro do ano passado, o preço da proteína paga ao produtor foi de R$ 2,25/litro, 18,1% acima da média do mesmo período de 2020, em termos reais, conforme dados deflacionados em novembro pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) compilados através do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No entanto, a alta dos custos de produção superou o aumento dos preços aos produtores ao longo do ano. Entre os insumos, o milho apresentou alta de 48,8% na média do Indicador ESALQ/BM&FBovespa, fazendo com que o pecuarista precisasse, em média, 42,6 litros de leite para adquirir uma saca de 60 quilos de milho em 2021, contra 33,9 litros no ano anterior, queda de 25,7% no poder de compra.

Pecuarista de leite Marcelo Sanches: “2022 continuará sendo um ano desafiador, assim como foi ano passado, mais acredito que será promissor”. – Fotos: Divulgação

O pecuarista Marcelo Sanches possui um rebanho de 56 vacas leiteiras da raça Girolando 3/4 e 7/8, que produzem diariamente 1,4 mil litros de leite, com uma média de 25 quilos de leite por animal, na Fazenda Paiol, em Pará de Minas (MG), a 80 quilômetros de Belo Horizonte. Impactado pela seca, geada e desvalorização cambial, o milho e a soja impulsionaram o aumento de gastos na propriedade. “Nós tivemos um problema muito sério com relação ao custo do milho, do farelo de soja e demais insumos para a produção de silagem, que estiveram com preços muito elevados. Não foi um ano fácil de investir, foi um ano bastante custoso”, menciona Sanches.

Segundo o produtor, a elevação do custo de produção foi acentuada no último trimestre, castigando ainda mais o setor com a queda do preço do leite em R$ 0,30 na região Centro-Oeste. “O aumento dos custos disparou no último trimestre, então foi muito desafiador, porque ao mesmo tempo que o preço do leite caiu consideravelmente, o adubo, a semente e os fertilizantes dobraram de preço. Neste último trimestre trabalhamos praticamente no vermelho”, expôs o produtor mineiro.

Boas práticas

Produtor nota 10 CCPR do programa Boas Práticas na Fazenda, promovido pela Cooperativa Central dos Produtores Rurais, desde que a iniciativa foi implantada há quatro anos, Sanches diz que mesmo em meio as dificuldades no setor continuou investindo pesado em gestão sustentável. No quadro dos colaboradores estão três médicos-veterinários: um é responsável pela parte reprodutiva, outro pela qualidade do leite produzido e um terceiro faz o planejamento e arraçoamento dos animais. “Faço um investimento pesado em gestão sustentável, minha turma é bastante engajada, prezamos muito pela qualidade do leite, até por isso que temos um custo maior, mas eu não abro mão disso. Tudo que foi implementado desde o programa piloto CCPR Nota 10 virou rotina na fazenda”, ressalta.

Há três meses a Fazenda Paiol foi auditada novamente e manteve a certificação. O programa avalia gestão sustentável, produto de qualidade e preservação ambiental. “Tenho uma preocupação muito grande com o bem-estar animal e justamente por dar boas condições aos animais que tenho colhido excelentes resultados e aumentado cada vez mais a qualidade do leite produzido. Temos também uma responsabilidade ambiental pesada, porque não queremos poluir, queremos preservar as nascentes”, salienta, ampliando: “Investimos em equipamento de irrigação para que todo dejeto da sala de ordenha e da pista de alimentação, que cai no tanque de decantação onde tem um agitador, seja bombeado para a área de lavoura para não ter nenhum risco de contaminação no lençol freático”, pontua.

Desde menino

Filho único, Sanches herdou a gestão da propriedade quando tinha 15 anos. Sem muito conhecimento na atividade, buscou em cursos aperfeiçoamento para entender os processos de produção e hoje figura entre os melhores pecuaristas de leite da região Centro-Oeste do país. “Quando meu pai comprou a propriedade em 1981 começamos com gado de leite e eu sempre gostei, é uma paixão que cultivo desde pequeno. Quando meu pai passou a fazenda para mim fui entender os processos, busquei estudar e melhorar cada vez mais a atividade dentro da propriedade. Além do leite, também já trabalhamos com suinocultura e gado de corte, mais o que eu gosto muito é de bovinocultura de leite, por isso que dei continuidade a atividade”, detalha.

Investimento em genética

Aliar tecnologia à gestão da fazenda e à melhora do rebanho é algo indispensável para os pecuaristas que desejam obter bons resultados. Neste sentido, Sanches tem na propriedade 30 novilhas de corte para inseminação artificial por meio da técnica de fertilização in vitro (FIV) e há oito anos toda a reprodução das fêmeas é realizada por meio deste método, negócio que transpôs as fronteiras da sua propriedade.

“Não temos nenhum macho na fazenda, todos os animais são fêmeas, e os de corte são para implantação de embrião. Trabalhamos com sêmen de ponta, com os melhores animais e empresas do mercado e de dois anos para cá investimos pesado em FIV para venda de material genético, porque a procura tem sido bastante grande e tenho obtido bons resultados”, destaca.

Projeto de expansão

Com 56 animais em lactação, Sanches diz que os resultados estão sendo tão positivos que já dispõe de um projeto de ampliação para dobrar a quantidade de vacas de leite na propriedade neste ano. “Inicialmente o projeto era estabilizar em 50 animais até ano passado, mas os resultados obtidos foram tão bons que vamos ampliar as instalações para receber até 100 animais”, diz, animado com o novo projeto.

Após a implantação deste novo galpão em 2022, a expectativa é ampliar a produção de leite entre 2,500 a 3 mil litros de leite por dia, dobrando a produção atual. No entanto, apenas com adequações nas instalações da fazenda – construindo um novo galpão ao lado da sala de ordenha -, a média diária de produção de leite por animal aumentou de 19 quilos para 25 por dia.

“Na verdade, meu gado estava sendo planejado para fazer compost barn, só que não comprei a ideia por conta do custo de construção e como o preço do leite não estava favorável, fiquei receoso, então elaborei essa pista de alimentação que ficou um quinto do valor do compost barn, e estou tendo resultados satisfatórios”, afirma.

Expectativa para 2022

De acordo com o bovinocultor de leite, as perspectivas para esse ano não são muito animadoras, ainda exigirá muita resiliência e planejamento para se manter na atividade. “Dois mil e vinte e dois ainda não será um ano tranquilo, aliás, nunca tivemos um ano tranquilo, mais eu espero que seja um ano com custos mais baixos. Continuará sendo um ano desafiador, assim como foi 2021, mais acredito que será promissor”, almeja.

Entre as alternativas com vistas a redução dos custos de produção, Sanches diz que ampliou a área de plantio de silagem produzido na fazenda. “Não compramos silagem porque senão os custos seriam ainda mais altos, nós mesmos produzimos na fazenda e este custo que teríamos com a compra de silagem investimos em outras melhorias”, evidencia.

Encontro acontece esta sexta-feira e conta com a presença do secretário de Estado da Agricultura, Rui Martinho.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER