Estudo da Ideagri mostra que o setor leiteiro sente a carência de um parecer institucional forte que defenda seus interesses
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Os produtores de leite possuem uma grande consciência técnica sobre a atividade do setor, mas aparentemente sentem a falta um posicionamento institucional forte em defesa de seus interesses. Essa é a conclusão da Ideagri Pesquisa #3, divulgada essa semana pela Ideagri, fabricante de software de gestão para fazendas de gado de corte e de leite.

A cadeia do leite é muito técnica e regulada, mas possui pouca integração como classe e não dispõe de palavras de ordem coletivas e integradoras“, afirma Heloise Duarte, CEO da Ideagri.

“Em época de pandemia e Fake News, nunca foi tão importante ter as cadeias de produção de alimentos organizadas e representadas”, afirma a CEO. “Assim, hoje, mais do que nunca, conhecer, divulgar e, conforme cada realidade, participar de movimentos e/ou entidades que atuem em prol da cadeia e dos produtores do nobre alimento, denota engajamento e visão de futuro para quem, de diferentes formas, vive do leite”.

A terceira pesquisa da série da entidade traz um levantamento do nível de conhecimento e adesão em relação a importantes frentes que atuam no fortalecimento da cadeia. Pelas respostas ficou claro que os produtores de leite e profissionais atuantes na cadeia leiteira possuem grande consciência técnica sobre a atividade do setor. Mas aparentam sentir a falta de um posicionamento institucional forte e coletivo em defesa dos interesses de todos os elos da cadeia.

O estudo ouviu 167 produtores rurais (clientes e não clientes da empresa) por meio de consulta on-line finalizada no dia 31 de agosto. Dos 97,6% estão diretamente envolvidos na atividade leiteira, 86,2% são clientes da Ideagri e usuários do software de gestão agropecuário da empresa.

Embora haja reconhecimento de ações em favor do leite (o movimento #BebaMaisLeite é conhecido de 92,2% dos entrevistados, por exemplo) e 70,1% disseram conhecer o programa “Empresa Amiga do Bem-estar Animal”, que é relativamente recente no Brasil, apenas 10% dos entrevistados disseram-se filiados à entidade setorial, a Abraleite, e mais da metade não sabe qual é a missão da entidade. “Isso mostra a falta de mobilização da categoria”, afirma Heloise Duarte. “E de mensagens que possam promover essa união”.

Ao serem perguntados se gostariam de citar iniciativas importantes para o fortalecimento da cadeia do leite, 92% não conseguiram apresentar nenhuma sugestão. Entre os 8% que se manifestaram a esse respeito, por outro lado, houve uma pulverização de ideias, a maioria ligadas a questões operacionais, zootécnicas e de produção. Duas pessoas sugeriram programas de marketing,

“O Brasil é o quarto produtor mundial de leite, com 35 bilhões de litros por ano, e o leite e seus derivados estão entre os alimentos mais fiscalizados do mercado”, diz a CEO. “Ainda assim, há preconceito e desinformação sobre o produto”, diz ela. “O leite poderia crescer ainda mais se projetássemos uma imagem positiva do setor”.

Clique aqui para acessar a pesquisa completa.

No total, 57 prêmios vieram para o Brasil; produção do queijo mineiro já é reconhecido como patrimônio cultural imaterial.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER