Empresários acreditam que normas são "muito rígidas" para que a produção possa ser vendida fora do Estado.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
CNN Brasil


Os produtores artesanais de queijo de Minas Gerais ganharam prêmios internacionais, mas enfrentam problemas para cumprir as regras de produção e venda, que consideram rígidas. Para sair da clandestinidade, eles precisam de algumas certificações.

“Hoje, a certificação nacional é baseada em produtos industriais. Muitos produtores que pegaram esse selo já desistiram, a realidade é muito diferente da nossa, a gente não consegue acompanhar o que eles pedem”, diz o produtor Sérgio Alves.

Em uma premiação de queijos na França neste ano, 40 medalhas foram para produtores de Minas Gerais, mas, até chegar na Europa, eles precisaram colocar os queijos em malas de viagem para participar da disputa sem serem pegos pela fiscalização.

Segundo a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) mineira, a estimativa de produção artesanal é de 85 mil toneladas ao ano. “As queijarias podem comercializar no país. Um dos requisitos é o registro sanitário no estado”, explica o gerente do Instituto Mineiro de Agropecuária, André Alves.

“Estamos contactando todas as assembleias. Nossa intenção é que elas promovam ações junto a suas bancadas federais para discutirmos a legislação. Só assim os queijos de Minas Gerais, de São Paulo, do Rio, de Goiás, poderão atravessar as divisas de seus estados”, defende o deputado estadual  Heli Grilo (PSL).

Deputado federal goiano conseguiu aprovar proposta que tramitava desde o início de 2019 em defesa de um mercado equilibrado na indústria láctea.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER