Produtores enfrentam a difícil equação de custos elevados de produção e o preço do leite aquém do necessário para fechar a conta; situação se reflete na indústria, onde oferta já está menor
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

De domingo a domingo é sempre puxado para o produtor Renato Bovoni, de Paraíso, na região de Catanduva. Ele vai para o campo de madrugada, às 4h30, e diz que o trabalho é intenso, sem folga para o descanso nem mesmo em feriados. Mas o que mais desanima Renato e os produtores da pecuária leiteira não é a intensidade da rotina de trabalho, mas o quanto recebem pelo litro de leite, a cada ano menor em relação aos custos envolvidos na produção.

A queda de preço, que já se reflete em oferta menor para os laticínios, é apurada em pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea-USP). No último dado fechado, o Cepea avalia que o preço do leite captado em janeiro e pago aos produtores em fevereiro chegou a R$ 2,1397, o litro, na “Média Brasil” líquida. Uma leve alta de 0,43% em relação ao mês anterior, mas uma queda de 2,7% frente ao mesmo período de 2021.

Para os pecuaristas, diversos fatores interferem. Nos últimos dois anos, a estiagem prolongada limitou a alimentação do gado. Além disso, as despesas com insumos estão maiores, principalmente com a ração do rebanho.

“Nossa situação está cada vez mais difícil. A gente está pagando para trabalhar, com os preços dos insumos que não param de subir. Para não dizer que não teve aumento, o mês de fevereiro, aumentou dois centavos do preço bruto. Recebia R$ 2,18, foi para R$ 2,20, mas tem um desconto ainda, então praticamente não teve aumento”, afirma o produtor Renato Bovoni.

Os custos com a produção já tiveram uma alta de 2,39% este ano, segundo o Cepea. No noroeste paulista, por exemplo, o clima não favoreceu a produção leiteira e os pecuaristas precisaram investir mais em alimentação. Sem pasto disponível, aumentaram os gastos com ração, que são à base de milho e soja. Esses alimentos foram o que mais impactaram.

“No último cálculo, a ração tinha um custo de R$ 2 o quilo do produto, mas já teve novo aumento. A cada três litros de leite produzido, a vaca come um quilo de ração. Então o lucro é algo de poucos centavos, mesmo”, diz Renato, que tem uma produção diária de 350 litros de leite.

Expectativa

O pecuarista Alexandre Costa, que tem uma produção de 800 litros em Potirendaba, avalia que os efeitos da estiagem severa do ano passado ainda influenciam. “Os preços não foram reajustados desde o final de 2021. Soma-se a isso os insumos mais caros, além do alto preço do óleo diesel. Tudo isso nos prejudica.”

Investimentos

Diogo Augusto Ribeiro de Souza, investiu em bem-estar animal em sua propriedade em Cedral, construindo um local com sombra e para o descanso do rebanho, que inclui mais de 40 fêmeas leiteiras. Esta é uma técnica recomendada para manter a qualidade do leite e maior produtividade dos animais. “É difícil fechar a conta, os custos de produção consomem 57% ao todo”, afirma.

Menor volume para os laticínios

Lácteos en Palestina: gerente asegura que la situación es complicada tanto para el productor como para la industria
Laticínio em Palestina: gerente alega que situação é complicada tanto para o produtor quanto para a indústria

A pesquisa do Cepea apresentou dados sobre os estoques baixos de leite nas indústrias brasileiras, nos meses de fevereiro e março, além de uma maior disputa pelo leite produzido no campo. Para o gerente de captação e qualidade de leite do laticínio Saboroso, de Palestina, Ricardo Millani Alves de Toledo, a situação é complicada tanto para o produtor quanto para a indústria.

“Os custos para o produtor são altos e para nós não é diferente, com a alta de preços das embalagens e dos fermentos, por exemplo. Nós seguramos o máximo que deu e baixamos o mínimo possível o preço pago ao produtor”, afirma Ricardo. Mas, no final das contas feitas pelo gerente, o baixo consumo de leite pesou no cálculo, o que também impactou em todo o setor da produção leiteira.

O menor poder de compra da população, com a alta da inflação nos preços dos alimentos está limitando o consumo de leite. Daí o motivo alegado para retração dos preços pagos aos fornecedores. “Nós também somos produtores e enxergamos que não é fácil se manter na atividade com os preços mais baixos”, avalia Ricardo.

Ele diz ainda que os preços do leite começaram a aumentar no campo, porém ainda o consumo na ponta está muito limitado. “Não está faltando leite ainda, mas há uma tendência de faltar o produto pela baixa oferta nas indústrias”. (CC)

Foram premiadas as mais produtivas vacas das categorias adulta e jovem para dois produtores de Carlos Barbosa.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER