Os produtores de leite reclamaram hoje "medidas urgentes" para atualizar o preço pago à produção, alertando que a sua situação económica se agravou significativamente este ano e que "a soberania e a segurança alimentar do país estão em causa".
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Não conseguimos antecipar quanto nos vai custar produzir cada litro de leite nos próximos meses. Hoje produzimos o leite suficiente para alimentar Portugal, mas se não recebermos o suficiente para alimentar os nossos animais não poderemos garantir que continuaremos a abastecer o nosso país como até aqui”, sustenta a Associação dos Produtores de Leite de Portugal (Aprolep).

Num comunicado divulgado na sequência da assembleia-geral de associados realizada na quarta-feira, a Aprolep alerta: “A soberania e a segurança alimentar do país estão em causa”.

“Se não houver uma resposta a curto prazo na atualização do preço do leite ao produtor, os produtores de leite irão manifestar-se de forma sucessiva à porta das principais indústrias e cadeias de distribuição até que os preços sejam atualizados, para permitir a sobrevivência do setor e garantir a soberania e segurança alimentar de Portugal”, avisam.

Segundo a associação, “a situação económica dos produtores de leite agravou-se de forma significativa nos primeiros meses de 2022, com o aumento do custo da ração, energia e adubos a absorver completamente o aumento do preço do leite ao produtor registado em janeiro”.

“Em consequência da guerra na Ucrânia, disparou o preço do gasóleo agrícola para valores nunca vistos, a eletricidade está a subir de igual forma, surgiram dúvidas sobre a disponibilidade de cereais para as rações e todos os fatores de produção, como os adubos, vão atingir valores que não podemos calcular”, acrescenta.

Neste contexto, e “sendo previsíveis novos aumentos das despesas com a alimentação dos animais e o cultivo dos campos”, a Aprolep “desafia as cooperativas, associações, confederações, o Governo, a indústria e a distribuição a reunirem-se de emergência para analisar a situação e encontrar uma forma imediata de atualizar o preço do leite sempre que os custos aumentem”.

“Propomos que se estude um mecanismo de indexação do preço do leite aos custos de produção e ao mercado europeu de leite e produtos lácteos”, avança.

Paralelamente, a associação apela para que o Governo e a União Europeia suspendam, “a título excecional, as regras da PAC [Política Agrícola Comum] que impedem o cultivo em todos os terrenos agrícolas disponíveis”, como o pousio obrigatório.

Defende ainda a revisão da portaria 79/2022, “que coloca dificuldades para a valorização agrícola dos efluentes pecuários, fundamental para reduzir a utilização de adubos químicos, que serão muito mais caros, se estiverem disponíveis no mercado”.

Saudando o aumento do preço do leite em quatro cêntimos por litro anunciado pelo grupo Jerónimo Martins aos produtores da marca Pingo Doce, a partir do dia 16 de março, a Aprolep “desafia os restantes compradores a aumentarem o preço em valor equivalente ou superior para o leite entregue a partir de 01 de março, inclusive”.

No imediato, a associação vai solicitar audiências com o Presidente da República, com a ministra da Agricultura e com a futura Comissão Parlamentar de Agricultura, “assim que o novo parlamento tome posse”.

A Aprolep pretende também pedir reuniões com as associações representativas da indústria e distribuição e estabelecer contactos com outras organizações agrícolas e com os principais compradores de leite em Portugal.

“Os produtores de leite portugueses, unidos a todos os colegas europeus através do ‘European Milk Board’, manifestam a sua solidariedade aos agricultores, produtores de leite e todos os ucranianos, a todos os que sofrem com a guerra, apelam a um urgente processo de paz e comprometem-se a continuar a trabalhar para alimentar toda a população europeia e colaborar no acolhimento, alimentação e oferta de trabalho a refugiados ucranianos, conforme for possível e necessário”, remata a associação.

Podemos convoca o governo regional a “arregaçar as mangas” e comprar ações em empresas estratégicas para garantir suas raízes no território.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER