Região possui mais de 60 unidades de produção de queijos artesanais que estão se adaptando para driblar os prejuízos. Uma das alternativas é a venda por delivery.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email


Produção de queijos artesanais sofre com impactos da crise — Foto: Fernanda Rodrigues/G1

Produtores de queijo artesanal do Campo das Vertentes tiveram que reduzir a produção por causa dos impactos da pandemia do novo coronavírus.

Com a crise financeira, eles buscaram reduzir os custos da produção e aderir à venda pela internet.

De acordo com a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), a região possui pelo menos 60 produtores de diversos tipos de queijo em cidades como São João del Rei, Santa Cruz de Minas, Tiradentes, Barroso e Madre de Deus de Minas e todos foram diretamente afetados pela crise.

A produtora Lúcia Maria Resende vendia o produto para mercados, empórios e feiras. Desde o início da pandemia, as vendas caíram cerca de 90%. O estoque da queijaria está lotado, com três mil peças maturando.

A queijaria, que fica em um sítio próximo à São João del Rei, adotou medidas para reduzir os prejuízos.

A produção de leite caiu de 250 litros para 190, assim como a de queijos artesanais, que diminuiu de 50 peças por dia para 20. Além disso, Lúcia vendeu animais e diminuiu a ração das vacas.

O preço dos produtos foi reduzido em 20%. “Com a decisão de fazer uma promoção pra incentivar as vendas, nós aderimos ao delivery e estamos atendendo e entregando na região. Conseguimos aumentar um pouco o movimento”, explicou Lúcia.

A produtora Joelma Tarôko também teve que adotar medidas semelhantes e passou a vender parte do leite produzido para laticínios do Campo das Vertentes.

“Diminuímos a produção de queijos pela metade. Só estamos fabricando em um período do dia e o restante do leite mandamos para laticínios, porque é uma forma de ter algum rendimento”, explicou a produtora.

Para auxiliar os produtores, o Campo Experimental Risoleta Neves da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) em São João del-Rei cedeu parte da estrutura para atendimento a produtores de queijo artesanal durante a pandemia do coronavírus. Duas câmaras frias do laticínio da unidade foram disponibilizadas para armazenar produtos da Associação da Região do Campo das Vertentes.

O pesquisador da Epamig, Daniel Alves, explicou que, com os devidos cuidados, os queijos preservam suas características por um período prolongado.

“Os queijos mantidos sob refrigeração a 4ºC e sem embalagens podem ser armazenados por mais de três meses. E as alterações sensoriais são mínimas”.

O local de armazenamento e produto requerem atenção especial. “A umidade da sala que deve estar entre 70 e 85%. Quanto aos queijos, eles devem ser virados com frequência e suas cascas devem ser limpas para evitar a proliferação de bolores”, orientou Daniel.

O atendimento aos produtores, bem como a entrega e retirada dos queijos são feitos de acordo com as orientações de segurança preconizadas pelas autoridades de saúde e também conforme as normas de contingenciamento adotadas pela Epamig.

Campanha consumo de leite – A Campanha da 1ª Semana do Leite, prevista para ocorrer na primeira quinzena de novembro, foi o tema central da 18ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), realizada nesta sexta-feira (17).

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER