Os impactos da estiagem e da pandemia ainda refletem ao produtor gaúcho de leite
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Apesar da melhora em relação ao ano passado, o produtor de leite gaúcho ainda encontra dificuldades na recomposição da alimentação animal por meio da silagem.

Dificuldade causada principalmente pelos impactos da estiagem e da pandemia. 

No caso do milho, além da seca, a cigarrinha que atacou lavouras nos últimos tempos também trouxe empecilhos a quem buscou uma alternativa com a safrinha.

Para o presidente da Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), Marcos Tang, os últimos períodos foram atípicos por causa da estiagem e houve pouca capacidade de fazer a alimentação dos animais.

“Nos últimos dias quem fez a safrinha também teve uma breve estiagem. São vários fatores que atrapalham a formação e armazenamento da alimentação da silagem de milho, apesar de ser melhor que na outra safra”, destaca.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER