Atraído por um preço entre 30% e 40% menor do que o produto de referência, o consumidor pode levar para casa “bebida láctea” em vez de leite.
O Procon de São Paulo vai apertar o cerco contra as indústrias de laticínios que colocam no mercado produtos à base de soro de leite e com embalagens muito parecidas com as de itens que levam leite em sua composição.

Esses produtos começaram a ganhar mais espaço com a disparada do preço do leite.

O uso do soro, um subproduto da fabricação de queijo, não é proibido para alimentação humana – é regulamentado pelo Ministério da Agricultura na fabricação de vários produtos da cadeia láctea.

A oferta desses itens, porém, tem se tornado mais visível nos mercados.

Confusão com embalagens

A semelhança entre as embalagens pode, segundo especialistas, induzir o comprador a erro.

Atraído por um preço entre 30% e 40% menor do que o produto de referência, o consumidor pode levar para casa “bebida láctea” em vez de leite.

A confusão pode se repetir no leite condensado, trocado pela “mistura láctea condensada de leite e soro de leite”.

No caso do requeijão, aparece nas prateleiras a “mistura de requeijão e amido”.

O produto em pó pode ser confundido com o “composto lácteo”, enquanto o creme poderia ser trocado pela “mistura de leite, soro de leite, creme de leite e gordura vegetal”.

Polêmica

A polêmica veio à tona no mês passado, quando o Procon de São Paulo notificou a Quatá Alimentos.

A empresa foi solicitada a dar explicações sobre a comercialização e distribuição da bebida láctea Cristina, à base de soro de leite.

Na época, a Quatá Alimentos informou, por meio de nota, que “procurando não provocar confusão no ponto de venda, lançou esse produto sob essa nova marca, porque não fabrica leite caixinha (UHT) com a marca Cristina”.

“A partir deste caso, estamos fazendo um levantamento das empresas que têm adotado essa postura para notificá-las”, afirma Guilherme Farid, diretor executivo do Procon-SP.

Não é leite

A nutricionista da Nutri Mix, Márcia Melo, considera “muito cruel” usar bebida láctea no lugar de leite.

“A criança não vai ter o aporte mineral nem a proteína que precisa por conta de um item que está com o layout forjando um produto de referência”, afirma.

Ela diz que, em 200 ml, enquanto o produto integral tem 5,8 gramas de proteína, a bebida láctea tem 2,45.

Quanto ao caso da bebida láctea Cristina, Farid diz que o órgão formalizou um pedido de recomendação solicitando ajustes, “para que fique claro, adequado e ostensivo que se trata de bebida láctea”. Procurada, a Quatá Alimentos não informou como está o andamento do processo.

soro de leite

Leia também: O que o novo consumidor quer e por que o leite e os produtos lácteos atendem a todos esses requisitos. – eDairyNews-BR ?‍?‍?‍??✨

I consumatori sono i soggetti che rappresentano la forza trainante delle dinamiche di mercato e che determinano la domanda. Di conseguenza diventa importante seguirne le evoluzioni per delineare le strategie d’impresa.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

Destaques

Faça parte do grupo exclusivo de leitores do eDairyNews.

O eDairyNews o convida para seus canais do whatsapp: uma comunidade exclusiva para entusiastas de laticínios

laticínios

E-Commerce: O boom latino-americano que chegou ao setor de laticínios

agrícolas

Protestos agrícolas e boicote ao acordo de livre comércio entre a UE e o Mercosul

Súmate a

Siga-nos

ASSINE NOSSO NEWSLETTER