Momento é estratégico para a adoção de medidas de controle das inflamações na glândula mamária
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Um dos períodos que requer atenção maior na pecuária leiteira é a fase de secagem – descanso entre uma lactação e outra que pode variar de 45 a 60 dias – devido ao alto índice de mastites. Por isso, a adoção estratégica de um protocolo de secagem pode ser um bom aliado na prevenção dessa infecção e, além disso, permite a regeneração dos tecidos secretores do leite, e que o animal possa expressar todo seu potencial genético na próxima lactação.

O médico-veterinário Marcos Ferreira, gerente de Produto da UCBVET Saúde Animal, explica que a necessidade da secagem se dá por dois motivos: o animal atingiu o sétimo mês de gestação ou chegou a um limite de produção, se tornando economicamente inviável ao produtor. Segundo ele, na gestação, grande parte dos nutrientes consumidos é revertida para o desenvolvimento do feto. Se além de gestante, o animal estiver em lactação, o desgaste será muito maior, o que pode causar problemas para a cria, e trazer prejuízos ao produtor.

Para uma eficiência no processo de secagem, a orientação do médico-veterinário é que o produtor adote um protocolo com o uso de intramamário vaca seca associado a um selante de teto, que auxilia no fechamento do canal do teto, contribuindo na profilaxia e, posteriormente prevenindo as mastites, como o Mastizone V.S®. “Ele é indicado no tratamento das mastites já existentes no momento da secagem e também para prevenção de novos casos durante o período seco, fora do período de lactação, que vem para auxiliar o produtor no controle das inflamações na glândula mamária” explica.

Para o médico-veterinário, a adoção de um protocolo de secagem com o Mastizone V.S® aliado a um selante de teto só traz benefícios ao rebanho e ao produtor, pois além de promover uma alta cura nas mastites subclínicas, evita infecções recorrentes. “A prevenção é uma das maiores estratégias financeiras que o pecuarista pode adotar”, aconselha.

Com uma formulação exclusiva, o Mastizone V.S® combate bactérias sensíveis à gentamicina. A administração é de dose única por via intramamária no momento da secagem. E, a indicação é que na última ordenha, o produtor ordenhe completamente os quartos do úbere. “Em seguida, é preciso desinfetar, enxugar bem o teto e realizar a aplicação do produto”, finaliza.

O mercado chinês é hoje o maior importador de alimentos e, um ano após enviar a primeira carga de leite em pó para a China, os asiáticos visitam a CCGL e reanimam as negociações!

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER