Em 1996, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento iniciou um processo de criação e implantação de regulamentos e critérios técnicos para a produção de leite no Brasil, o Plano Nacional de Melhoria e Qualidade do Leite (PNQL).
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Em 1996, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento iniciou um processo de criação e implantação de regulamentos e critérios técnicos para a produção de leite no Brasil, o Plano Nacional de Melhoria e Qualidade do Leite (PNQL). Desde então, esses processos – que envolviam questões sobre qualidade e higiene, entre outros fatores – se intensificaram.

Foram criadas instruções normativas (IN) para regulamentar a produção, identidade, qualidade, coleta e transporte do leite tipo A, leite cru refrigerado e leite pasteurizado, tendo como objetivo principal a garantia de um leite de qualidade ao mercado consumidor. Alguns parâmetros são observados na análise, como contagem de células somáticas (CCS) e contagem bacteriana total (CBT). O Ministério da Agricultura editou recentemente as IN 76 e 77, readequando, entre outras resoluções, os parâmetros de CCS e CBT, o que relaciona o rebanho leiteiro com sanidade e qualidade no leite, o que está diretamente relacionado com a remuneração ao produtor.

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-RS) é ponto de apoio aos produtores para o atingimento dos requisitos sanitários adequados para a coleta, produção e comercialização do produto. Cursos como Manejo da Ordenha e Qualidade do Leite, programas como Leitec, ATeG Leite e as consultorias técnicas individuais (CTIs), dentro do espectro do programa Juntos para Competir (JPC), colaboram na criação de novas rotinas.

“O que favorece um bom índice de CBT é a higiene. Higiene do animal, do úbere, da ordenha, da ordenhadeira e um eficiente e rápido resfriamento do leite. Além da manutenção do frio para manter as bactérias em níveis baixos. Já a CCS é um pouquinho mais complicada. Temos de observar os ambientes onde a vaca vive, onde ela deita, onde ela se alimenta. Precisamos evitar qualquer agressão ou risco de contaminação ao úbere”, diz o médico veterinário e instrutor do Senar-RS Orlando Bohrer.

O especialista explica que os cursos do Senar dedicam parte de seus conteúdos a ressaltar a importância de um protocolo de limpeza e higiene que vai desde a sala de ordenha até os tanques de resfriamento. A importância da água aquecida e até dos detergentes alcalinos e ácidos são mencionados.

Na CTI de higiene e qualidade do leite, um veterinário vai à propriedade e acompanha o processo de ordenha do princípio ao final, indicando erros e acertos – como o modo de higienizar úberes, ordenhadeiras e resfriadores, por exemplo. Ele também fará uma análise da qualidade do produto, que depois servirá de termo de comparação com os boletins emitidos pela indústria a cada compra.

Modelo de negócio assegura avanço tecnológico, aumenta produtividade e lucros de produtores.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER