A doença tem duas origens: por contágio e ambiental.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Divulgação Syntec

A mastite é o mais importante problema sanitário da pecuária de leite, podendo representar custos de US$ 185 por vaca, segundo a Embrapa. “Engana-se quem pensa que se trata de um problema simples de tratar. Se a inflamação não for diagnosticada rapidamente pode levar, inclusive, à morte da vaca. Assim, sempre é importante alertar os produtores para evitar prejuízos econômicos com descarte de leite e redução da produção”, afirma o médico veterinário Thales Vechiato, gerente de produtos de Grandes Animais da Syntec do Brasil.

De acordo com o especialista, existem dois tipos de mastite: os casos clínicos e os subclínicos. Nos casos clínicos, a doença é “visível”, enquanto a segunda categoria não apresenta sinais evidentes. “A mastite é uma inflamação que pode chegar à infecção das glândulas mamárias. A doença tem duas origens: por contágio e ambiental. O método contagioso é o mais comum e geralmente ocasionado por erros humanos no manejo sanitário dos animais”, esclarece Thales Vechiato.

De acordo com a Embrapa, a redução na produção de leite é o prejuízo econômico mais importante da mastite. Estudos realizados no Brasil mostram que quartos mamários com mastite subclínica produziram 25% a 42% menos leite do que quartos mamários normais. Estima-se que o custo da mastite por vaca ao ano seja de aproximadamente US$ 185, o que corresponde a um custo anual de US$ 1,8 bilhão na pecuária de leite brasileira como um todo.

“Esse valor corresponde a aproximadamente 10% do total de leite vendido pelos produtores, conforme os levantamentos recentes. Cerca de dois terços das perdas correspondem à redução na produção de leite devido à mastite subclínica”, destaca o especialista da Syntec. Ele aponta ainda que “o tratamento recomendado para os casos de mastite envolve o uso de antibióticos e anti-inflamatórios, que devem ser receitados por médico veterinário”.

Para ajudar os produtores de leite a enfrentarem a mastite, proporcionando bem-estar aos animais, a Syntec oferece soluções eficazes, como Gentomicin Mastite, antibiótico intramamário à base de Sulfato de Gentamicina, indicado para o tratamento de mastite aguda ou crônica em vacas com baixa lactação e média produção. A empresa também oferece Flobiotic 10%, antibiótico injetável de amplo espectro de ação à base de Enrofloxacina 10%, indicado para infecções causadas por bactérias Gram-positivas e Gram-negativas.

Outro produto importante no combate à mastite é Maxitec Injetável, anti-inflamatório não esteroide à base de Meloxicam 3%, que bloqueia a biossíntese das prostaglandinas, proporcionando a liberação dos mediadores responsáveis pelos processos inflamatórios. Maxitec tem propriedades antipirética e analgésica e é indicado para o tratamento de inflamações agudas, febre e dores associadas a injurias musculoesqueléticas, teciduais ou viscerais. “Este produto deve ser sempre associado a terapia antimicrobiana local, pois além da rápida resolução do processo inflamatório traz conforto aos animais, facilitando o retorno produtivo dos animais acometidos”, explica Vechiato.

As colocações de produtos lácteos no exterior atingiram US$ 402 milhões nos primeiros seis meses de 2022.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER