No início de setembro, foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) os resultados da segunda Pesquisa Trimestral do Leite.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

No início de setembro, foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) os resultados da segunda Pesquisa Trimestral do Leite.

Os dados são referentes ao volume de leite adquirido e industrializado pelos laticínios com inspeção municipal, estadual ou federal no segundo trimestre de 2020.

No primeiro trimestre

No primeiro levantamento, relativo a janeiro a março, a produção crescera 1,4% frente ao mesmo período no ano passado.

Em meados de março, com o advento da pandemia causada pelo coronavírus no país, as medidas restritivas e a queda na renda da população trouxeram prejuízos ao mercado do leite, o que gerou incertezas em relação à produção no campo.

No segundo trimestre

Nesse cenário, no segundo trimestre, o volume de leite adquirido pelas indústrias caiu. No período, foram captados 5,76 bilhões de litros, 1,7% menos que no segundo trimestre de 2019.

No entanto, a produção maior no primeiro trimestre do ano contribuiu para que no acumulado do primeiro semestre o volume captado crescesse 0,4% na comparação feita ano a ano (figura 1).

Figura 1. Volume de leite adquirido pelos laticínios, em bilhões de litros.


Fonte: FGV / Scot Consultoria – www.scotconsultoria.com.br

Reação na produção em julho e agosto

De acordo com os dados do Indicador de Captação de Leite da Scot Consultoria, a produção de leite reagiu em julho e agosto.

O índice subiu 6,2% em julho, comparado a junho. E em agosto houve incremento de 2,3% no volume de leite captado. No entanto, em relação a igual período do ano passado, os volumes foram 1,7% e 1,5% menores, respectivamente.

A reabertura do comércio em determinadas regiões e o pagamento dos auxílios emergenciais favoreceram a recuperação da demanda interna por leite e derivados, depois da queda nos primeiros meses de pandemia.

Esta reação no consumo na ponta final gerou uma procura maior pelos laticínios por matéria-prima (leite cru), o que fez o preço do leite ao produtor subir nos últimos pagamentos.

Associado às altas nos preços do leite pago ao produtor desde junho, o forte incremento produtivo no Sul do país (safra) também contribuiu para que o volume produzido no campo aumentasse.

Figura 2. Índice Scot Consultoria de Captação de Leite, média nacional. Base 100=março de 2011.


Fonte: Scot Consultoria

Considerações Finais

A produção de leite vem crescendo, estimulada pelos investimentos em alimentação dos animais por parte do produtor, devido ao cenário positivo dos preços do leite.

A partir de outubro e novembro, com as chuvas mais regulares no Brasil Central e região Sudeste, a produção de leite deve aumentar com mais força, o que tende a pressionar os preços aos produtores.

A demanda por leite e derivados merece acompanhamento em função das altas nos preços dos lácteos no atacado e varejo nos últimos meses, o que diante deste quadro de crise econômica e queda no poder aquisitivo da população pode ser um entrave para o consumo.

Outro ponto de preocupação é com relação aos pagamentos dos auxílios emergenciais que, apesar de estendidos até dezembro, a redução de R$600,00 para R$300,00 deve impactar na demanda por leite e derivados.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER