Antes desconhecido, produto fabricado no Brasil é consagrado no concurso Mondial du Fromage.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Queijos produzidos na região Sul de Minas levaram uma medalha no bianual Mondial du Fromage, de Tours (foto: DOUGLAS MAGNO/AFP)

À solitária fazenda de Rita de Cássia, em uma região bucólica de Minas Gerais, chega-se perguntando. Não há placas, nem sinal de GPS. Mas o queijo que ela produz com suas mãos está agora na boca de muitos, após ser consagrado em um concurso internacional na França.

Seu queijo Garrafão é um dos 57 brasileiros que, em setembro, ganharam uma medalha no bianual Mondial du Fromage, de Tours, colocando o país no pódio dos melhores do mundo, atrás apenas da França.

“Santo Casamenteiro”, um queijo azul com creme de queijo, damasco e nozes, e forma de bolo de noiva, foi contemplado com um “super ouro” na França
(foto: DOUGLAS MAGNO/AFP)

“O que comem as suas vacas para que o queijo seja tão gostoso?”, perguntaram, admirados, os colegas franceses, segundo a representante brasileira, Débora de Carvalho. A aprazível região montanhosa onde fica a fazenda de Cássia, no Sul de Minas, um estado com histórica tradição queijeira, dá algumas respostas.

Nesta terra, descoberta há 300 anos por caçadores de ouro, fabrica-se queijo desde que um sapateiro italiano, Paschoal Poppa, chegou no começo do século 20 à aldeia de Alagoa com uma receita de parmesão. Hoje, são 135 produtores, uma gota no oceano dos estimados 35 mil que o estado abriga, mas vários deles foram premiados nas últimas edições do Mondial du Fromage e nas ruelas de Alagoa, várias reproduções em miniatura da Torre Eiffel dão as boas-vindas a um incipiente turismo gastronômico.

O queijo Garrafão é um dos 57 brasileiros que, em setembro, ganharam a medalha
(foto: DOUGLAS MAGNO/AFP)

PRODUÇÃO RÚSTICA

Os prêmios na França “mudaram a vida da gente”, conta Dirce Martins, que dedica 39 anos ao ofício. “Ninguém vinha aqui. Eles pagavam o preço que queriam. Agora, temos sempre visitantes”, explica em um espaço diminuto com estantes de madeira, onde é curado o queijo Fumacê.

Suas vacas pastam a 1.500 metros de altitude, em terras selvagens de grande riqueza microbiótica e, junto com o marido e o filho, consegue produzir no máximo 60 unidades diárias do seu queijo defumado, que acumula medalhas desde 2017.

Cássia, que trabalha com o marido, Marcos, produz 15 quilos de queijo por dia com suas 15 vacas leiteiras, chamadas França, Espanha, Dinamarca… “São nomes fáceis, elegantes e femininos”, diz esta empreendedora, de 32 anos. “É um trabalho árduo: de segunda a segunda, das 6h às 22h. Com sol, chuva… Inclusive grávida”, afirma a professora de formação, que espera o segundo filho. “E a concorrência é grande”, acrescenta, enquanto mostra como o casal se ocupa, inclusive, da inseminação artificial das vacas.

Cássia aprendeu o ofício com o sogro. “Virou minha paixão. O queijo é praticamente um ser vivo”, comenta. Até sua fazenda, situada em um vale remoto, chegam por uma estrada pedregosa comerciantes de São Paulo e do Rio de Janeiro para comprar seu queijo por R$ 45 a unidade, o que lhes permite prosperar. Devem muito à sua medalha de prata na França: “Nos deu muita visibilidade”, admite.

VALORIZAÇÃO “Um prêmio representa uma valorização de até 20% para um queijo francês. No Brasil, é de 300%-400%”, ilustra Carvalho, diretora da SerTãoBras, associação que promove os queijos artesanais.

Mas a fama internacional esbarra na legislação brasileira, inspirada nas estritas regras sobre produtos de origem animal dos Estados Unidos. Um queijo deve “cumprir 900 condições” para ser vendido em todo o país e é muito difícil exportar, garante Carvalho. Daí que a maioria dos produtos da região contam apenas com uma autorização municipal de comercialização.

“Pressionamos o governo para que legalize o queijo artesanal em nível federal”, explica Carvalho. No Brasil, “é impensável uma licença para um queijo como o Cabrales da Espanha, maturado em cavernas naturais”, completa, por sua vez, Juliana Jensen, coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento dos queijos Cruzília, que mantêm a fabricação artesanal, apesar de funcionar como uma indústria.

Seu Santo Casamenteiro, um azul com creme de queijo, damasco e nozes, e forma de bolo de noiva, foi contemplado com um superouro na França. Com mais de 90 produtos, a empresa aumentou sua produção em 30% em três anos.

Com os prêmios, “os brasileiros começaram a olhar o que têm dentro de casa. Vamos valorizar, conhecer nossos sabores, nossas tradições”, conclui.

O queijo Garrafão é um dos 57 brasileiros que, em setembro, ganharam a medalha.

Como em quase todos os aspectos da vida, o que é bom é bom porque está em equilíbrio: a dieta mais completa, mais ecológica e mais barata possível dentro dessa completude será composta de animal, com o leite desempenhando um papel de liderança, e vegetal.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER