Nucete, a firma que o seu pai fundou e dirigiu, sofreu com o encerramento do mercado, o dólar atrasado e uma divisão familiar. Foi vendido em 2014 ao actual Chefe de Gabinete. O filho é agora dedicado aos queijos gourmet. Uma aprendizagem dura.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
La nueva apuesta del heredero de la aceituna más famosa
Miguel Nucete na sua fábrica de queijo

Levar o seu apelido em Aimogasta, uma pequena cidade em La Rioja, sempre foi um desafio para Miguel Nucete. José, o seu pai, construiu passo a passo o que se tornou um império familiar e reinou no negócio da azeitona. Ele era a alma do lugar. Desde a sua chegada ao país, José e o seu irmão Manuel descobriram primeiro em Mendoza e depois em La Rioja as melhores condições para a oliveira e dedicaram-se a esta indústria.

Como empresa, Nucete foi fundada em 1947. No início venderam azeitonas a granel à empresa líder da época, Del Bono de San Juan, que mais tarde foi à falência. Nessa altura, a Nucete começou a vender em frascos. E no que foi um processo economicamente dispendioso e tecnicamente difícil, melhorou as plantas para dar às azeitonas o sabor conhecido como mediterrânico, apetitoso e nutritivo. Fez incursões em azeite de oliveira.

Apesar dos ciclones económicos, que exterminaram alguns dos seus melhores clientes como El Hogar Obrero ou hiperinflação, Nucete cresceu exponencialmente. Atingiram 2.500 empregados, quatro unidades industriais e escritórios comerciais em quase todo o mundo.

Reconhecido em Espanha e na Grécia

Em Espanha e na Grécia, o local de nascimento da oliveira, Nucete foi reconhecida. Mas a separação dos irmãos José e Manuel na gestão da empresa, uma expansão alavancada na dívida de curto prazo e o atraso da taxa de câmbio entre 2010 e 2014 mais dívidas fiscais estavam a sufocá-los.

O golpe de misericórdia veio quando o Brasil, em retaliação ao encerramento das importações provenientes da Argentina, fechou a entrada de azeitonas.

CLAIMA20160121_0099 José "Pepe" Nucete.
José “Pepe” Nucete.

Em 2014 José decidiu vender a empresa ao grupo Mattar-Manzur, propriedade do actual Chefe de Gabinete de Cristina Kirchner e então Ministro da Saúde. José Nucete não conseguiu sobreviver a esta decisão. Um AVC atingiu-o imediatamente e ele morreu dois anos mais tarde, aos 86 anos de idade.

Juan Manzur en la 27° Conferencia Industrial de la UIA, en Parque Norte. Foto Gentileza UIA
Juan Manzur na 27ª Conferência Industrial da UIA no Parque Norte. Foto cortesia da UIA

O seu filho Miguel disse ao Clarín: “O meu pai vendeu-o a Manzur porque não tinha outra opção. A sua raiva era vender a sua empresa a um político depois de esta ter entrado em colapso devido às suas más políticas”.

Nessa altura, Miguel já tinha deixado o negócio da família e também Aimogasta. O seu primeiro empreendimento foi uma empresa de serviços de compras para cidades do interior. Chamou-lhe Buenos Aires aquí (Buenos Aires aqui) e tratava de tudo desde peças sobressalentes para tractores, sapatos, medicamentos e até livros universitários para aqueles que viviam longe. Cresceu tanto que, perante o dilema de continuar a crescer ou a vender, optou por este último.

A opção Brasil

Naquele momento, os clientes de Nucete no Brasil disseram-lhe que havia escassez de queijo. E ele sentiu-o como um apelo. Alugou uma fábrica em Lincoln, Buenos Aires, fez acordos com 14 grandes produtores de leite da região de Holstein e fez uma aposta firme em queijos gourmet. Especializou-se naqueles que necessitam de envelhecimento, como o queijo parmesão, que necessita entre 8 e 12 meses. É também especializada em sardo, provolone e reggianito.

Como uma reviravolta na história, a maior parte do seu volume de negócios, cerca de 5 milhões de dólares, tem origem no Brasil, a tal ponto que tem uma filial em Florianópolis. Miguel, 55 anos de idade, tem 30 empregados e a sua própria fábrica e lacticínio em Vedia, na província de Buenos Aires.

E desta vez criou a sua marca sem o apelido. Ele deu-lhe o nome de Migue. Produz 36 variedades de queijo, incluindo queijos duros, semi-duro e especialidades. Obtém 24.000 litros de leite que é processado diariamente para produzir 2.400 quilos de queijo. A sua estratégia baseia-se na venda directa. No Brasil, estão a acrescentar valor com a fatiagem, ralagem e porcionamento dos produtos.

Agora estão a procurar expandir o seu cesto com manteiga, natas e doce de leite. E já tem contratos de exportação para o Peru e os EUA.

Quando lhe perguntam qual é o seu principal receio, ele escolhe dois: o encerramento dos mercados e o atraso da taxa de câmbio.

Novos consumidores estão se afastando da ingestão de gordura saturada, e os produtos à base de plantas estão atraindo milhões em investimentos.

Você pode estar interessado em

Una respuesta

  1. Sou de foz Iguaçú tenho grande imóvel com câmeras frias já tive Laticinios recebia 120.000 lts leite dia também fui derrotado pela carga tributária e gostaria ser representante da sua marca aqui na tríplice fronteira

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER