De acordo com a pasta, até 20 de janeiro foram 81 mil avisos e comunicados relacionados aos danos nas lavouras em regiões produtoras.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Lavoura afetada pela seca no Paraná (Foto: Divulgação/MAPA)

A seca que atingiu regiões de produção agrícola no Brasil levaram a mais de 81 mil avisos de sinistro previstos em apólices de seguro rural e comunicados de perdas do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) relativos à safra 2021/2022. O levantamento foi feito pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura (Mapa), com base em dados das seguradoras e do Banco Central.

 Lavoura afetada pela seca no PR  (Foto: Divulgação/MAPA)
Lavoura afetada pela seca no Paraná (Foto: Divulgação/MAPA)

Em comunicado, o Ministério ressalta que o valor total em análise para as possíveis indenizações é superior a R$ 5 bilhões. Foram acionadas 42,541 mil apólices de seguro (com R$ 2,715 bilhões em análise) e feitos outros 38,906 mil comunicados do Proagro (com R$ 2,324 bilhões em análise) até 20 de janeiro. As perdas atingiram, principalmente, soja e milho. Mas foram registrados danos causados pela estiagem também em culturas como feijão, arroz, cana-de-açúcar, frutas e hortaliças, pecuária de leite e apicultura.

A soja tem quase 37 mil acionamentos (32% das apólices sinistradas). Dos quase 39 mil acionamentos de Proagro, mais de 26 mil foram de perdas no milho (68,7% do total). No comunicado, a pasta já avalia a possibilidade dos números serem revisados quando um novo levantamento for divulgado, no final de fevereiro, já que a seca persiste em várias regiões.

No seguro rural, as companhias seguradoras habilitadas no PSR realizam o pagamento das indenizações aos produtores, que têm acesso à subvenção ao prêmio, explica o Mapa. Já no Proagro, o produtor, geralmente ligado ao contrato de crédito rural de custeio do Pronaf, paga uma taxa adicional para aderir ao programa e a União arca com o pagamento das indenizações via Banco Central do Brasil e as instituições financeiras.

“Mesmo em anos de safra recordes estamos observando alta sinistralidade. Isso demonstra a importância do seguro rural e a necessidade de ampliação da cobertura em todas as regiões”, destaca a ministra Tereza Cristina, no comunicado.

seguro-proagro-tabelas (Foto: Ministério da Agricultura)
(Foto: Ministério da Agricultura)
 

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação, Julián Domínguez, realizou uma reunião bilateral com seu homólogo brasileiro, Marcos Montes Cordeiro.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER