Rabobank: exportações para o sudeste da Ásia devem aumentar na próxima década – eDairyNews Últimas notícias
Brasil |21 octubre, 2020

lácteos | Rabobank: exportações para o sudeste da Ásia devem aumentar na próxima década

As exportações de lácteos para o mercado do sudeste asiático devem aumentar na próxima década, criando oportunidades futuras para empresas da Nova Zelândia e outras regiões exportadoras, de acordo com um novo relatório do Rabobank.

As exportações de lácteos para o mercado do sudeste asiático devem aumentar na próxima década, criando oportunidades futuras para empresas da Nova Zelândia e outras regiões exportadoras, de acordo com um novo relatório do Rabobank.

Segundo o relatório, o boom das exportações de laticínios está voltado ao ASEAN-6 [grupo que compreende os dez países da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e seis outros países da região Ásia-Pacífico: Austrália, China, Índia, Japão, Coreia e Nova Zelândia]. O Rabobank disse que o déficit anual combinado de leite da ASEAN-6, especialmente das nações Indonésia, Malásia, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã, deve crescer para 19 bilhões de litros em 2030, ante 12,9 bilhões de litros estimados em 2020.

O analista sênior de lácteos da RaboResearch, Michael Harvey, disse que o déficit crescente de leite no sudeste da Ásia provavelmente será um grande fator de atração para exportadores que buscam um crescimento estratégico.

“As grandes populações, combinadas com o aumento da urbanização, uma classe média crescente com poder de compra e o desenvolvimento contínuo de cadeias de fornecimento integradas, tudo isso apoiará o crescimento do consumo de laticínios em toda a região”, disse ele. “As taxas de consumo de lácteos per capita na ASEAN-6 também são baixas em comparação com outras economias asiáticas avançadas, proporcionando uma margem significativa para o crescimento.”

Além disso, o relatório diz que as empresas serão «empurradas» para as oportunidades de exportação para os países da ASEAN-6 por meio do aumento das tensões geopolíticas e da redução da demanda na China.

“Entrando em 2020, as relações comerciais da China com os principais parceiros comerciais já estavam em terreno instável – especialmente com a Austrália e os EUA. E embora o comércio de laticínios tenha estado em grande parte imune até agora, houve uma deterioração notável nas relações comerciais, que têm o potencial de repercutir em todos os lugares”, disse o Harvey.

“A desaceleração da demanda chinesa por lácteos é outro fator que levará os exportadores de lácteos a olhar para mercados fora da China, com expectativa de abrandamento na próxima década, à medida que a taxa de crescimento da renda per capita diminuir.”

Harvey disse que esses fatores provavelmente obrigariam os exportadores de lácteos a reavaliar suas estratégias de crescimento e considerar um maior investimento na região da ASEAN-6.

“Isso é particularmente relevante para as empresas da Nova Zelândia que estão mais expostas ao comércio e, consequentemente, têm o maior nível de risco de concentração de mercado”, disse ele. “Com mais de 35% do comércio de lácteos da Nova Zelândia com destino à China e menos de 20% indo para o Sudeste Asiático, agora é um bom momento para as empresas de lácteos da Nova Zelândia avaliarem seus portfólios.”

Campo de batalha crítico

O relatório afirma que os mercados de lácteos do sudeste asiático há muito são um campo de batalha para os exportadores.

“Os exportadores da Oceania têm uma pequena vantagem competitiva na região por causa das vantagens tarifárias fornecidas por um coquetel de acordos comerciais bilaterais e o Acordo de Livre Comércio ASEAN-Austrália e Nova Zelândia (AANZFTA)”, disse Harvey. “No entanto, com muitos pares globais buscando seus próprios acordos de livre comércio com as economias da ASEAN, espera-se que o mercado se torne mais harmonizado no que diz respeito a tarifas e barreiras não tarifárias ao longo do tempo.”

Harvey disse que a concorrência no mercado deve se intensificar devido a uma combinação de fatores. “Existem várias empresas globais de laticínios estabelecidas operando nos mercados do sudeste asiático que continuam aumentando os investimentos. Isso inclui a maior empresa de laticínios do mundo, a Nestlé, que identificou esses mercados como a chave para o crescimento potencial, conforme ilustrado por vários investimentos recentes”, disse ele. “Além disso, as empresas de laticínios no hemisfério norte e na China estão ampliando seu escopo e buscando se estabelecer ainda mais na região.”

Considerações chave

O relatório diz que há uma série de fatores a serem considerados pelas empresas de laticínios, já que pretendem fortalecer sua posição nos mercados de lácteos da ASEAN-6.

“Uma das principais considerações para os exportadores de laticínios e suas cadeias de suprimentos que buscam crescimento no Sudeste Asiático é como eles podem extrair os prêmios e capturar mais valor”, disse Harvey. “No momento, a capacidade dos exportadores de comercializar e/ou gerar valor agregado na região com iniciativas de sustentabilidade permanece limitada, pois muitos consumidores da região são sensíveis aos preços. No entanto, na próxima década, esperamos ver um foco maior por parte de empresas multinacionais de alimentos e bebidas que operam nesses mercados para lidar com mais questões de sustentabilidade nas cadeias de abastecimento de laticínios.”

Com a expectativa de que os fluxos de comércio de lácteos do sudeste asiático continuem fortemente inclinados para o leite em pó, o relatório diz que uma outra consideração para as empresas de lácteos é como administrar os sólidos do leite.

“Uma investida nesses mercados fornece naturalmente um mercado para a proteína, mas deixará as empresas de laticínios com a tarefa de comercializar os componentes da gordura da manteiga, já que a demanda por leite em pó desnatado (SMP) é mais que o dobro da do leite em pó integral (WMP)”, Disse o Sr. Harvey.  “Embora a demanda por esses produtos esteja crescendo, a distribuição nas necessidades de volume de importação é um fator importante que as empresas de laticínios precisarão pensar.

Posicionamento para aproveitar a oportunidade

O relatório diz que vencer nos mercados de lácteos da ASEAN-6 exigirá que os exportadores façam os investimentos certos para fortalecer suas posições no mercado e, para alguns, isso pode exigir uma mudança considerável nas estratégias de exportação.

“Uma gama de estratégias de exportação e modelos de negócios de exportação podem ser implantados, seja por meio de modelos de exportação tradicionais, em parceria com uma empresa local ou por meio da aquisição de ativos locais”, disse Harvey. “Dadas as atuais forças em jogo na região da Ásia-Pacífico, se não houver o compromisso certo com esses mercados em crescimento, os concorrentes se moverão rapidamente para preencher a lacuna de demanda.”

Aviso legal sobre propriedade intelectual em conteúdo digital

Todas as informações contidas nestas páginas que NÃO são de propriedade da eDairy News e NÃO são consideradas "de domínio público" pelos regulamentos legais são marcas registradas de seus respectivos proprietários e reconhecidas por nossa empresa como tal. A publicação no site eDairy News é feita com a finalidade de coletar informações, respeitando as normas contidas na Convenção de Berna para a Proteção das Obras Literárias e Artísticas; na Lei 11.723 e demais normas aplicáveis.

Qualquer reivindicação decorrente das informações contidas no site eDairyNews será submetida à jurisdição dos Tribunais Ordinários do Primeiro Distrito Judicial da Província de Córdoba, República Argentina, com sede na cidade de Córdoba, com exclusão de qualquer outra jurisdição, incluindo a Federal.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Notas relacionadas