Os economistas do Rabobank, Mary Ledman e Ben Laine, projetaram baixa nos preços mundiais de leite nos próximos 12 meses, em um webinar apresentado pelo I-29 Moo University Consortium.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Os economistas do Rabobank, Mary Ledman e Ben Laine, projetaram baixa nos preços mundiais de leite nos próximos 12 meses, em um webinar apresentado pelo I-29 Moo University Consortium.

Ledman é o estrategista global de laticínios e Laine é a vice-presidente de pesquisa de laticínios do Rabobank. Os economistas apontam que os próximos 12 meses serão repletos de incertezas na produção de leite global e no consumo e comércio de lácteos.

Um dos grandes problemas é como a produção de leite vai se recuperar. “Espera-se um crescimento na nas regiões ‘Big 7’ até o primeiro semestre de 2021”, disse Ledman. (Ela define ‘Big 7’ como União Europeia, Estados Unidos, Nova Zelândia, Austrália, Argentina, Brasil e Uruguai.)

“A produção de leite nos EUA pode aumentar em mais de 1% no ano, podendo chegar a 1,5% se a produção de julho aumentar conforme um indicador do que está por vir”, disse ela. A produção da Oceania também pode subir de 1 a 1,5% durante o ano de produção 2020/2021.

Outro fator nos Estados Unidos é que uma grande nova unidade de produção de queijo em Michigan poderá entrar em operação no 4º trimestre deste ano e provavelmente aumentará a produção até 2021. Isso poderia colocar pressão adicional sobre os preços do queijo no país.

A grande incógnita global é se os países importadores continuarão importando. Ledman observa que as importações de lácteos da China caíram 15% em 2020 até agora e que o país está planejando aumentar um milhão de vacas em seu rebanho (um aumento de 8%) nos próximos um ou dois anos. Outros países asiáticos também diminuíram as importações de lácteos e não se sabe se eles continuarão a fazê-lo. Os preços mais baixos do petróleo significam que os países produtores também têm uma moeda menos forte para importar alimentos.

Laine aponta que os programas do governo, tanto na ajuda direta aos produtores quanto por meio de cestas de alimentos aos consumidores, desempenharam um grande papel no aumento dos preços dos produtos lácteos neste verão. A Europa tinha um programa para colocar produtos lácteos em armazenamento público para aumentar os preços. Embora o programa Food Box tenha sido estendido para uma terceira rodada, não se sabe se os outros programas serão renovados.

“Tudo isso aumenta a volatilidade e a incerteza no caminho para um novo normal”, disseram os especialistas.

No total, 57 prêmios vieram para o Brasil; produção do queijo mineiro já é reconhecido como patrimônio cultural imaterial.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER