As importações de lácteos tiveram mais um mês de queda na comparação mensal, segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Em julho, o volume reduziu 9,2% e os gastos 2,9% frente a junho último.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

As importações de lácteos tiveram mais um mês de queda na comparação mensal, segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Em julho, o volume reduziu 9,2% e os gastos 2,9% frente a junho último.

O principal produto adquirido no período foi o leite em pó, que teve queda de 13,8% no volume em relação ao mês anterior.

Os principais fornecedores, em volume, em julho, seguem sendo a Argentina e o Uruguai, na sequência de importância, que juntos representaram 81,8% do total.

No entanto, em julho o Uruguai perdeu em participação, em função principalmente da menor produção no país em 2019.

No acumulado de janeiro a julho o volume importado pelo Brasil aumentou 10,1% na comparação com o mesmo período do ano passado.

No parcial de agosto, até a quarta semana, a média diária foi de US$1,53 milhão em gastos com as importações de lácteos, recuo de 0,5% na comparação mensal e queda de 19,8% em relação a igual período do ano passado.

Como em quase todos os aspectos da vida, o que é bom é bom porque está em equilíbrio: a dieta mais completa, mais ecológica e mais barata possível dentro dessa completude será composta de animal, com o leite desempenhando um papel de liderança, e vegetal.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

newsletter

ASSINE NOSSO NEWSLETTER