Como em outros países produtores, esta tecnologia também está avançando na Argentina; as chaves para um processo que não pode ser revertido.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
UM ROBÔ DE ORDENHA CORTESIA DA LELY

Vacas que se ordenham sozinhas. Voluntariamente. Sem a necessidade de pessoal leiteiro se levantar às duas da manhã para fazer a primeira ordenha. Sonho ou realidade? Algo palpável, real. É a ordenha robotizada, que está se tornando cada vez mais difundida no país, como está acontecendo em todo o mundo.

A tecnologia consiste na incorporação de equipamentos que permitem extrair o leite com menos intervenção humana nesta tarefa e mais tempo na gestão do sistema. É utilizado equipamento com tecnologia de varredura a laser e 3D, que permite que os revestimentos sejam posicionados e removidos automaticamente. As vacas vão para as instalações de ordenha voluntariamente, no momento de sua escolha, sem horário fixo.

Os robôs de ordenha são colocados em caixas individuais em um galpão ou em um espaço dentro das bancas. Uma vez que uma vaca é instalada em uma caixa, onde ela é fornecida com ração concentrada, um braço – semelhante aos usados para soldagem nas linhas de fabricação de automóveis – é estendido para “ler” as tetas e “desenhar” o úbere para o robô, para que ele possa ser guiado na colocação dos copos das tetas.

“A primeira vez que a vaca é ordenhada, o robô memoriza o que leu”, explica o consultor de laticínios Juan Monge. Em seguida, tenta colocar os forros com as informações que possui, auxiliado pelo vácuo que produz. A partir daí, ele detecta o fluxo de leite e inicia a ordenha registrando estas posições. Na próxima ordenha, com as informações disponíveis, o robô conecta mais facilmente os copos das tetinas. E a terceira vez ajusta ainda melhor os movimentos dos braços.

Os robôs de ordenha são dispositivos que utilizam algoritmos que “aprendem” à medida que a vaca é ordenhada mais e mais vezes. Elas podem ser complementadas por uma câmera 3D acima do animal, que “lê” quando ele se move e “avisa” o braço para se adaptar à nova posição. Outros sistemas ajustam fisicamente o espaço de estábulo de acordo com o tamanho da vaca que entra em cada ordenha.

Com a ordenha robotizada, não há necessidade de dois ou três turnos de ordenha. Normalmente, as vacas vão voluntariamente para os robôs a qualquer hora do dia, com uma necessidade mínima de presença de pessoal nas instalações para a tarefa de ordenha. Com esta liberdade para os animais, mais produção de leite pode ser alcançada devido a mais descanso, menos estresse do rebanho, etc. “Os sistemas convencionais de ordenha requerem 45 a 60 minutos para a operação, entre o rebanho, a extração do leite e o retorno do lote para cada ordenha; com equipamento robótico a operação requer de 6 a 15 minutos por ordenha. Os movimentos economizados permitem que as vacas se deitem e descansem mais tempo, mais leite flua para o úbere e aumente a produção”, diz Monge.

As vacas se voltam voluntariamente para os robôs, principalmente em busca de alimento. Dependendo do sistema que for implementado, eles podem ter trânsito livre ou guiado. O primeiro define que a vaca pode ir de seu local de descanso para a ração, para a água ou para o robô como ela define; no segundo, o animal deve seguir um circuito para acessar a ração e a água, o que geralmente a induz a passar primeiro pelo robô. A freqüência da ordenha varia com o tempo de lactação determinando que a vaca que requer mais ordenha é ordenhada mais e, portanto, reduz a pressão sobre o úbere.

As razões para implementar uma mudança para a ordenha robotizada são várias. “Em muitos casos, ela é incorporada quando há necessidade de reformar a sala de ordenha, que está em mau estado ou obsoleta”, diz Monge. “É uma mudança de paradigma, uma atualização que permite menos esforço por parte do pessoal e impulsiona a produção de leite”, acrescenta ele.

O sistema de ordenha robotizado incorpora inevitavelmente medidas individuais de saúde animal e de produção. Os robôs possuem sensores que medem a velocidade de ordenha, fluxo de leite, temperatura, contagem de células somáticas, etc. Com todos esses dados, os problemas de saúde podem ser antecipados e medidas preventivas podem ser implementadas. Com a ajuda de coleiras também é possível detectar vacas em cio. “Embora os salões convencionais possam ter muitas destas informações, o robô é muitas vezes a desculpa para este salto tecnológico”, diz Juan.

A ordenha robótica não é recomendada para empresas que não alcançaram um nível mínimo de eficiência no gerenciamento de ração ou que têm indicadores de produção ruins em geral. “Antes de pensar em mudar o sistema de ordenha, o sistema de produção deve se tornar mais eficiente para produzir mais leite, com alta eficiência de conversão de ração em produto”, aconselha o especialista.

Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, a escala não é um fator limitante na adoção da ordenha robótica. Um robô pode ordenhar 60 vacas e esse é o número mínimo de vacas para incorporar o equipamento. A partir daí, não há limite superior conhecido. Nos Estados Unidos existem fazendas de leite com 40 robôs e no Chile, com 64. No país existem hoje robôs de ordenha de três marcas: Lely, De Laval e GEA. Os dois primeiros têm o maior número de robôs vendidos no mercado argentino. O custo médio da ordenha robótica é de cerca de 2500 dólares por vaca.

Adaptação
Nem todas as vacas se adaptam facilmente à ordenha robotizada. Há animais que são plantados e têm que ser forçados a ir para a ordenha, enquanto outros aceitam o sistema facilmente, como as vacas de Jersey. Há também diferenças na velocidade de ordenha. Para uma produção igualitária, o produtor de leite preferirá manter um animal que ordenha em seis minutos ao invés de um animal que leva dez minutos porque tem um fluxo de leite menor. Você pode selecionar para esse personagem.

A conformação do úbere é outro fator a ser considerado. Animais com quartos simétricos e homogêneos são preferíveis. Neste sentido, Juan Pablo Martinengo, assessor técnico em leite da Select Sires & Juan Debernardi, diz que “independentemente do sistema de ordenha, o úbere deve ter uma boa conformação”. Ele acrescenta que “não há discussão a respeito das inserções da glândula mamária: ela deve ter uma inserção anterior firme, bem aderida ao abdômen, com capacidade, assim como um ligamento médio forte e adequado”. Estas características resultam em úberes mais funcionais e saudáveis e vacas de vida mais longa.

É muito importante ter em mente que a forma e a posição das diferentes partes do úbere e a força com que ele é suportado através das inserções são altamente hereditárias. Portanto, com a seleção genética, sua posição e estrutura anatômica podem ser modificadas.

“Os úberes mais funcionais têm forma simétrica e profundidade adequada. O ideal é uma distância de cerca de cinco centímetros entre o piso do úbere e a garra em vacas adultas, com uma inserção firme dos ligamentos suspensos, que mantêm o úbere firmemente preso ao abdômen, longe do piso, o que pode ser uma fonte de contaminação ou lesão em úbere muito solto”, define Martinengo. A força desses ligamentos é essencial para que o úbere suporte alta produção e dure o maior número possível de partos.

Por outro lado, as tetas devem ter um comprimento adequado (cinco a seis centímetros) e devem estar localizadas bem abaixo de cada quarto do úbere, com uma forma homogênea. Quando se tem este tipo de tetas, as vacas ordenharão adequadamente, sem deixar resíduos de leite e sem problemas de mastite, que é a principal causa de perda econômica na cadeia leiteira dos EUA.

A capacidade do úbere deve ser suficiente para produzir e armazenar grandes quantidades de leite. Para isso, é muito importante que eles tenham uma excelente textura, com um úbere traseiro muito alto e muito largo. Ao olhar para a vaca por trás, o tecido secreto do úbere deve começar o mais alto possível, perto da vulva, com largura suficiente para dar ao úbere capacidade de produção. Considere que os quartos traseiros produzem aproximadamente 60% do leite total.

traduzido por www.deepl.com

Boletim de Preços
Informe com análise e acompanhamento das variações de preços de indicadores de interesse da cadeia do leite.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER