De acordo com o comentarista Benedito Rosa, a medida tomada pelo governo não atende os pequenos e médios que sofreram com seca e pandemia
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

De acordo com o comentarista Benedito Rosa, a medida tomada pelo governo não atende os pequenos e médios que sofreram com seca e pandemia

04 de junho de 2020 às 09h00
Por Canal Rural

As chuvas voltaram ao Rio Grande do Sul, mas os efeitos da longa estiagem vão demorar para sair da lembrança e do bolso dos agricultores e pecuaristas. Endividados, produtores de leite estão tendo dificuldades para renegociar dívidas e buscar crédito.

Com um cenário de incerteza, o produtor Rafael Herman afirma que “o governo deveria intervir para que o produtor consiga chegar em uma instituição e buscar ajuda”.

De acordo com a Federação de Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), esses produtores já podem renegociar dívidas em até sete anos. O economista-chefe da entidade, Antônio da Luz, afirma que os produtores continuar pressionando os bancos e fazendo pedidos de renegociação.

O comentarista do Canal Rural Benedito Rosa afirma que essa questão é reincidente e vem de vários anos: os pequenos e médios produtores ficam vulneráveis às oscilações do mercado. Para resolver, segundo ele, seria necessária uma política visando a estabilidade mínima de renda.

“O governo tomou uma medida convencional e burocrática [a renegociação de dívidas]. O banco não oferece condições adequadas para aqueles com mais dificuldade em apresentar garantias de que vão pagar o que estão devendo”, afirma.

Benedito Rosa diz que o pequeno e médio produtor que sofre com a seca e pandemia deveria ter um atendimento especial, e que as medidas atuais não atendem nem rápida nem demoradamente.

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER