Agricultores dos municípios de Passo do Sobrado e Vale Verde participaram na quarta-feira (02/02), na propriedade da família Kretzmann, no município de Vale do Sol, de um Dia de Campo sobre Bovinocultura de Leite.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Fonte: MilkPoint

A atividade, promovida pela Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), visou propiciar uma interação maior entre os participantes. “Por se tratar de grupos menores a prática permite uma melhor discussão e visibilidade do sistema. Além disso, mantemos os cuidados de prevenção à Covid-19, pois a atividade é realizada ao ar livre e em grupos pequenos”, pondera o extensionista rural agropecuário da Emater/RS-Ascar, Vivairo Zago.

Na propriedade da família Kretzmann, está implantada uma Unidade de Referência Técnica (URT) da Emater/RS-Ascar na área de bovinocultura de leite. A atividade apresentou o resultado de cinco anos desde a implantação do Sistema de Pastoreio Racional Voisin. “Esta propriedade trabalha um sistema de produção de leite diferenciado. Utiliza-se a pastagem como principal fonte de alimento para o rebanho, suplementação com 3,5 quilos de ração por vaca por dia em média, silagem apenas durante algum período do ano. Além de utilizar genética de animais adequada para esse sistema que é a holandesa de origem na Nova Zelândia”, explica Zago. O agricultor Rosmar Kretzmann também utiliza a genética norte-americana, mas sempre escolhendo os animais por aptidão ao sistema a pasto.

A propriedade também foi escolhida para sediar a atividade, pois embora o atual cenário da estiagem, há boa oferta de pastagem ao rebanho, graças ao manejo adequado das pastagens. Foram implantados piquetes diurnos e noturnos, sempre mantendo um residual de pastagem na saída das vacas desses espaços e solo coberto por boa camada de pastagem.

Ao todo, são sete hectares de pastagem onde são cultivadas espécies perenes como o milheto, tifton, quiquio, trevo entre outras espécies nativas e plantadas, em uma espécie de “mix de pasto”. Essa diversidade de alimento contribui para melhor equilíbrio do sistema resultando, por exemplo, na não ocorrência de pragas na pastagem, além de uma melhor exploração das camadas de solo. “No caso do trevo, por ser uma leguminosa, incorpora naturalmente nitrogênio no solo”, comenta Zago.

O rebanho é formado por 25 animais, que apresentam bons índices reprodutivos, poucos casos de mastite e uma média de 19 litros de leite por vaca ao dia. O custo de produção também fica bem em conta, em torno de 55%. Em 2021 a propriedade entregou em média oito mil litros de leite por mês. “O objetivo não é explorar o máximo produtivo da vaca e sim buscar maiores resultados da pastagem”, observa o extensionista rural André Macke Franck, que faz o acompanhamento da atividade leiteira na propriedade.

O Sistema Voisin, associado ao Silvipastoril, proporciona bem estar animal ao disponibilizar sombra nos piquetes. Além disso, as áreas de pastagem foram incrementadas com a instalação de pontos de água encanada em todos os piquetes, disponibilizando ao rebanho água de qualidade e em quantidade.

O cuidado com o solo foi uma das principais ações realizadas na propriedade. O sistema de adubação consiste em cama de aviário e adubo químicos. O solo tem em torno de 3% de Matéria Orgânica (MO) e não apresenta indícios de compactação. Essas características permitem maior armazenagem de água no solo e, consequentemente, a propriedade dispõe de oferta de pastagem, mesmo com chuvas abaixo do normal.

O manejo da pastagem com roçadas das sobras também permitem elevação da matéria orgânica em longo prazo, além da ciclagem de nutrientes. “A propriedade apresenta solo descompactado, vida no solo, acúmulo de matéria orgânica, 100% de pastagem perene, nenhum metro quadrado de solo descoberto em toda a propriedade, toda área fazendo fotossíntese”, ressalta Franck.

O sistema de pastoreio rotacionado Voisin também permite um maior acúmulo e/ou concentração de dejetos no piquete. Todo esse conjunto de práticas favorecem as propriedades químicas, físicas e biológicas do solo na área de pastagem.

Franck ainda destaca importantes resultados na qualidade do leite produzido, na sanidade do rebanho e na redução da penosidade do trabalho. “Nessa propriedade existe alta sanidade do rebanho, alta qualidade do leite e percentual de sólidos. Intervalo médio entre partos menor que 365 dias, alta longevidade das vacas, baixo requerimento de mão de obra, sobrando pasto em plena estiagem e sem uso de silagem no momento. Além disso, alto retorno financeiro apesar dos elevados custos e baixa remuneração atual”, pondera.

Outros pequenos grupos de bovinocultores de leite com perfis e/ou potencial para implantação do sistema em suas propriedades devem ser recebidos nessa unidade experimental. “Cada propriedade é uma realidade, mas muitas coisas podem ser aproveitadas desta propriedade e servir de exemplo. E em tempos de custos elevados e escassez de alimentos esse sistema pode ser ideal para muitas propriedades”, completa Zago. O próximo grupo deve acontecer no dia 20 de abril. Interessados em participar devem procurar o Escritório da Emater/RS-Ascar do seu município para outras informações.

Encontro acontece esta sexta-feira e conta com a presença do secretário de Estado da Agricultura, Rui Martinho.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER