O Sindicato da Indústria de Laticínios do Estado do Rio Grande do Sul (Sindilat) defende mudanças na Lei do Fundo Setorial da Cadeia Produtiva do Leite (Fundoleite).
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O Sindicato da Indústria de Laticínios do Estado do Rio Grande do Sul (Sindilat) defende mudanças na Lei do Fundo Setorial da Cadeia Produtiva do Leite (Fundoleite). Um documento com a proposta foi enviado neste mês à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Estado. A ideia é que 70% dos recursos do fundo sejam destinados ao atendimento das exigências previstas nas Instruções Normativas (INs) 76 e 77, que tratam da qualidade do produto, 20% aos projetos desenvolvidos em conformidade com a atual Lei do Fundoleite e 10% ao custeio administrativo da entidade conveniada.

Em nota divulgada nesta quarta-feira 26, o Sindilat informa que a proposta foi construída em conjunto com entidades como a Famurs, Apil, Fecoagro, AGL, Gadolando, entre outras.

“Queremos encontrar alternativas para que o produtor de leite se adeque às INs. Essas soluções efetivas servem para fortalecer a cadeia em todo o estado”, destacou Darlan Palharini, secretário-executivo do Sindilat, que participou de audiência pública nesta quarta-feira na Assembleia Legislativa.

De acordo com o representante da Secretaria da Agricultura, Gabriel Fogaça, a secretaria vem somando forças com as entidades e produtores a fim de reforçar o apoio ao setor. “A Secretaria da Agricultura se mantém de portas abertas a todos os representantes do setor para juntos construirmos o melhor modelo para destravar os recursos do Fundoleite.”

Atualmente, o Rio Grande do Sul é o terceiro maior produtor de leite do país, com 4,24 bilhões de litros ao ano. Conforme o último levantamento da Emater, o estado tem 65.016 mil produtores que vendem leite regularmente para indústrias com inspeções municipais, estaduais e federais.

A audiência pública na Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Zé Nunes (PT), debate a elaboração de um documento com uma série de sugestões para a melhor aplicação dos recursos do Fundoleite, que também será encaminhado ao secretário Covatti Filho. “Nosso objetivo é trabalhar em prol dessa cadeia que necessita arduamente de nossa atenção”, ressaltou Zé Nunes.

“Enxugar gelo”. Você já sentiu essa interminável sensação?

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER