Barn Investimentos e Indicator Capital investem R$ 25 milhões na startup montada pela gestora 10b.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Laerte Cassoli, CEO da Rúmina, e Pedro Peixoto, sócio da 10b: ecossistema atrai investidores — Foto: Ana Paula Paiva/Valor

Quando os sócios Marcelo Lima e Pedro Peixoto decidiram reunir as investidas da 10b – gestora da SK Tarpon — em uma só companhia de tecnologia para pecuária, a dupla já sabia das vantagens que uma plataforma ‘one stop shop’ poderia oferecer aos clientes e, claro, a investidores potenciais. Menos de seis meses após o lançamento da Rúmina, ecossistema montado a partir de R$ 30 milhões em investimentos da 10b nos últimos anos, a startup acaba de fechar uma rodada série A, trazendo investidores externos para a era da pecuária com inteligência artificial e internet da coisas (IoT).

De partida, a Rúmina nasceu com uma base de dados que reúne informações de 7 mil fazendas, um rebanho leiteiro de 1,3 milhão de vacas, o que permitiu a criação da Rúmi, uma inteligência artificial que consegue estimar as chances de cura de um animal com mastite, por exemplo, e o risco para concessão de crédito a pecuaristas. A junção de soluções pavimentou a chegada dos investidores que lideram a rodada.

A Barn Investimentos liderou o aporte e traz track record em inovação no agro. Uma das pioneiras no venture capital para agtechs, a gestora de Flavio Zaclis apostou bem cedo na Strider, companhia mineira vendida à Syngenta, no primeiro M&A entre uma startup agrícola brasileira e uma gigante do agro.

“O agro é um setor peculiar, mas a gente se sente confortável. O mercado vem evoluindo. Na época da Strider, o momento era de soluções únicas, mas cada vez mais se quer soluções integradas e a Rúmina é uma plataforma integrada”, diz Zaclis.

Na rodada, a Rúmina também trouxe a Indicator Capital para a base acionária, atraindo uma gestora de venture capital conhecida por investimentos em inteligência artificial. Com R$ 300 milhões sob gestão, a firma criada por Fabio Iunis de Paula e os irmãos Derek e Thomas Bittar já investiu na Beegol — que ajuda a melhorar as conexões de internet — e na iugu, fintech de automação financeira que já atraiu o Goldman Sachs.

No ano passado, a Indicator levantou R$ 240 milhões em um fundo com a tese de investimentos em IoT que contou com o BNDES e a Qualcomm Ventures como âncoras. “A Rúmina se encaixa no que a gente estava olhando, com um sistema de inteligência que consegue atender o produtor de forma mais completa”, emendou Iunis, que fica baseado no Vale do Silício — antes de criar a Indicator, o gestor trabalhou na Intel Capital, braço de investimentos da fabricante de processadores.

Juntas, Barn e Indicator investiram R$ 17 milhões na Rúmina. O restante do capital foi aportado por um grupo de anjos e fundos brasileiros e estrangeiros. “Vamos usar os recursos para melhorar a tecnologia e trazer novas soluções”, conta Marcelo Ferreira, o empreendedor que criou e toca o Ideagri — software para gestão de fazendas que faz parte das investidas da 10b reunidas na Rúmina.

A companhia também não descarta fazer M&As, notadamente para agregar soluções de internet das coisas para a plataforma, disse Laerte Cassoli, que desde o lançamento é o CEO da Rúmina. Agrônomo, o executivo era o cabeça por traz de um dos principais investimentos da 10b, a OnFarm — a agtech desenvolveu um hardware as service que facilita o diagnóstico de mastite em vacas leiteiras, o que permitiu economizar 230 mil doses de antibióticos e a perda de mais de 7 milhões de litros de leite.

Na Rúmina, a 10b reuniu sob um mesmo guarda-chuva startups como OnFarm, Ideagri, Volutech (startup mineira que criou um sensor para monitorar, em tempo real, a qualidade do leite nos tanques das fazendas) e Rúmicash, a fintech da plataforma que já está oferecendo crédito para os produtores de leite.

Com de mais de 7 mil fazendas na plataforma — que perfaz o equivalente a 10% do leite produzido no Brasil —, a Rúmina aproveitou a massa de dados para desenvolver a Rúmi, uma inteligência artificial que ajuda com insights para grandes laticínios (Danone, Vigor, Scala e e Coca-Cola estão entre os clientes) e recomendações para os pecuaristas, e um sistema proprietário de score de crédito.

A rodada também deve ajudar a Rúmina a ganhar tração em crédito, disse Peixoto, o sócio da 10b que acompanha os investimentos. “Temos mais de R$ 30 milhões no pipeline para atender”, disse ele. Tipicamente, a startup dá o crédito por meio de parceria com os laticínios, antecipando os recursos aos pecuaristas.

“O produtor entrega o leite no mês, mas ele pode recebe em até 60 dias. Nós conseguimos antecipar e o laticínio já desconta o pagamento do crédito nas parcelas de pagamento do leite”, conta Cassoli. Até agora, a Rúmicash oferece crédito com prazos que vão de 6 a 12 meses. O funding vem de parceiros.

No longo prazo, Peixoto vê grande potencial na fintech. “Os 13 maiores laticínios do país movimentam mais de R$ 15 bilhões”, diz. Com as soluções que vem reunindo, a Rúmina imagina alcançar 300 mil pecuaristas, entre produtores de gado de corte e leite.

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Pesca da Nação, Julián Domínguez, realizou uma reunião bilateral com seu homólogo brasileiro, Marcos Montes Cordeiro.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER