A tecnologia está sendo uma grande aliada para melhorar os resultados no agronegócio.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Graças a um ecossistema de soluções digitais, que já atende 7.000 fazendas de leite e corte no Brasil, Uruguai e Argentina, os produtores estão obtendo uma gestão profissionalizada, com um sistema que detecta doenças nos animais, faz a rastreabilidade e ainda ajuda nas tomadas de crédito.

Agora, a Rúmina fechou uma rodada Série A de R$ 25 milhões liberada pela Barn Investimentos, com participação da Indicator Capital, que juntas estão investindo R$ 17 milhões. O valor restante da rodada está sendo complementado por outros fundos de venture capital nacionais, internacionais e um grupo de investidores-anjo.

Crescimento da plataforma

O aporte servirá para acelerar ainda mais o crescimento da plataforma e a penetração da Rúmi, a inteligência artificial da Rúmina.

“Temos a maior e mais relevante base de dados sobre a cadeia da pecuária brasileira e nossos serviços contribuem para a melhoria da eficiência produtiva de milhares de fazendas de todos os tamanhos. Com o investimento, poderemos consolidar ainda mais nosso crescimento ampliando a gama de soluções que vão impactar positivamente o setor, de forma sustentável”, afirma Marcelo Ferreira, cofundador da Rúmina.

O objetivo da Rúmina é ajudar pecuaristas a usar a tecnologia para reduzir o impacto ambiental da atividade, aumentando a produtividade da fazenda e liderando a transformação digital do setor, além de contribuir com o bem-estar animal em mais de 300 mil fazendas de pecuária no Brasil e na América Latina nos próximos 10 anos.

“O futuro da pecuária global passa pela melhoria da saúde animal e sustentabilidade. Ao gerirmos mais de 10% do leite brasileiro, evitamos em 2021 o uso de quase 230 mil doses de antibióticos e o descarte de mais de 7 milhões de litros de leite. Contribuímos para a melhoria da eficiência produtiva de milhares de propriedades, acompanhando os principais indicadores financeiros e zootécnicos para produzir mais com o mesmo rebanho e tamanho de propriedade”, afirma Laerte Cassoli, cofundador e CEO da Rúmina.

Junção de empresas

Criada pela gestora 10b – focada em soluções inovadoras e sustentáveis para os setores de agronegócios e alimentos, parte do ecossistema SK Tarpon – a Rúmina é o resultado da consolidação das empresas OnFarm, Ideagri, Volutech e Rúmicash e reúne soluções de biotecnologia, SaaS, IoT e Inteligência Artificial, voltadas a saúde animal, gestão de fazendas, rastreabilidade e crédito para o pecuarista.

“Mesmo antes de criarmos a Barn, estudamos o setor da pecuária por anos, com histórico prévio de investimento. Temos convicção de que este mercado no Brasil se tornará rapidamente mais técnico e assim, ainda mais eficiente e competitivo, ao mesmo tempo, menos poluente”, explica Flavio Zaclis, fundador da Barn Investimentos.

“Os consumidores exigirão cada vez mais transparência, rastreabilidade e controle sobre os processos de produção e criação do animal. Acreditamos que o caminho para isso necessariamente passa pela adoção de tecnologia no campo e arredores. Também estamos convencidos de que o produtor e as cadeias do leite e da carne querem soluções de tecnologias super integradas, que resolvam diferentes problemas em uma mesma plataforma, unificada e integrada, como é o caso da Rumina. Acreditamos no projeto, potencial e estratégia da Rumina para se tornar a mais importante empresa de tecnologia para o mercado da pecuária”, afirma Flavio.

Agronegócio: alicerce da economia brasileira

De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Brasil é o 4ª maior produtor de leite do mundo, com produção acima de 34 bilhões de litros por ano e mais de 1 milhão de produtores nacionais.

O setor movimenta mais de R$ 100 bilhões ao ano, gerando mais de 4 milhões de empregos no campo. Já em relação ao mercado de pecuária de corte, o país é o segundo maior produtor de carne bovina do mundo, com 16,8%, atrás apenas dos EUA, que detém 20% do volume produzido globalmente, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda, na sigla em inglês).

A expectativa do setor é de que os preços no campo sigam firmes, à medida que a oferta continuou baixa em junho.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER