The local subsidiary of the investment fund BAF Capital laid off almost all of its personnel and owes millions to its suppliers.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Sancor
Sancor e Vicentin, vítimas do fundo de investimento BAF Capital

A BAF Capital, um fundo de investimento “estrela” no mundo financeiro argentino, acaba de demitir quase todo o seu pessoal no país; está passando por uma situação financeira sensível e o futuro de seus investimentos está se tornando cada vez mais incerto.
É um importante ator, com investimentos diversificados em diferentes setores, incluindo agronegócios, energia, infra-estrutura, construção, biotecnologia e tabaco, entre outros.

Sediada em Amsterdam (Holanda), a BAF Capital é hoje uma empresa global de serviços financeiros, incluindo gestão de ativos, soluções de capital de giro e consultoria em finanças corporativas, mercados de capitais e bancos de investimento.

Na Argentina, fornece serviços de consultoria em fusões e aquisições e reestruturação a partir de seus escritórios localizados em Puerto Madero e emprega 200 executivos, juntamente com escritórios em Montevidéu (Uruguai) e São Paulo (Brasil).

A filial local é dirigida por seu CEO, Jorge Frávega, e no mercado doméstico financiou mais de 80 empresas e foi um dos principais investidores e credores da SanCor e Vicentín.

Desastre financeiro

Precisamente, ambas as apostas teriam ajudado a causar o colapso financeiro que a filial local deste fundo europeu parece ter começado a sofrer e que está vindo à luz com a saída de cerca de 80 funcionários.

Além disso, teria deixado uma dívida milionária contraída com fornecedores e investidores e enfrentaria um duro conflito com o fundo de investimento Apollo, também de origem holandesa.

Na verdade, alguns dos trabalhadores demitidos expressaram que a crise que levou a esta saída maciça de pessoal do fundo poderia ter sido evitada com um esquema de investimento mais lógico e menos arriscado.

“Mas Fravega gosta de apostar o dinheiro de outras pessoas em aventuras sempre ligadas a crises financeiras ou de alto impacto político”, argumentaram eles.

Como exemplo, eles lembraram que no caso da SanCor, o fundo cedeu à empresa leiteira o controle de uma unidade de sobremesas, flãs e iogurtes como forma de garantir a cobrança de uma dívida de u$s118 milhões.

Mas a estrutura financeira e comercial da empresa ainda é muito complicada e sem contribuições do governo nacional ou do fundo privado criado no ano passado para enfrentar uma operação de resgate da empresa de laticínios.

Suspeita de esvaziamento

Com relação à empresa de cereais Santa Fé, ela assumiu a fábrica de frigoríficos Friar, um dos principais ativos desta empresa, que sofre um prejuízo de mais de US$ 200 milhões, está em processo de reorganização e os planos estabelecidos por empresas privadas para recuperar sua estrutura também não foram bem sucedidos.

De fato, a participação da Frávega e da BAF Capital neste negócio teve seu lado legal, uma vez que a operação de compra da FRIAR através da subsidiária uruguaia do fundo desencadeou uma ação judicial por esvaziamento.

A ação foi movida pelas autoridades do Banco Nación e foi ouvida pelo tribunal criminal econômico encabeçado por Julián Ercolini com o fundamento de que se tratava de uma venda sob suspeita de desvio de fundos. O promotor no caso, Gerardo Pollicita, solicitou que os bens de todo o grupo econômico fossem restringidos, incluindo Friar, uma medida que foi indeferida por Ercolini e que permitiu a transferência do frigorífico para a BAF Capital por uma quantia próxima a US$ 200 milhões.

BAF Capital le compró a Vicentín el frigorífico Friar, lo que disparó una denuncia por vaciamiento
A BAF Capital comprou a fábrica de embalagem de carne Friar de Vicentín, o que desencadeou uma reclamação por esvaziamento.

Na ocasião, Eduardo Hecker, presidente do Banco Nación, advertiu que “a empresa falida de cereais continua com a alienação de seus ativos, em uma manobra clara para evitar o cancelamento dos créditos, o que constitui um dano significativo ao patrimônio do Banco”.

Brincando no limite

O mercado também atribui esta queda do fundo de investimento BAF Capital na Argentina à forma como Frávega aposta o dinheiro do fundo. “Ele sempre gosta de jogar no limite, investindo em negócios arriscados e contra a lógica para avançar no mundo dos negócios”, descrevem alguns especialistas do setor.

Outro destes negócios de risco que se destaca é a IMPSA, a empresa de Mendoza que em 2017 comprou a participação na usina hidrelétrica de Potrerillos, e que teve que ser resgatada com fundos públicos depois que o estado nacional assumiu uma participação no capital da antiga empresa de propriedade da família Pescarmona.

O fundo também tem uma base forte no setor do agronegócio através de sua participação na Bioceres, uma empresa local orientada principalmente para o desenvolvimento de sementes transgênicas e pesticidas, que está listada na Bolsa de Valores de Nova Iorque.

Mas seu esquema comercial é baseado principalmente em operações de financiamento com injeções de capital em empresas com graves dificuldades financeiras ou afetadas pelo ruído político, e depois tentando tomar o controle dessas empresas.

“Entretanto, seu cálculo de risco está claramente longe de ser eficaz e deixou um rastro que ameaça se tornar o escândalo financeiro da década”, dizem aqueles que conhecem Frávega de perto.

IMPSA es otra de las empresas locales donde el fondo europeo incursionó
A IMPSA é outra das empresas locais onde o fundo europeu também fez incursões com resultados negativos.

Outra das operações mencionadas no mercado como conflituosas foi a aterrissagem fracassada de Molino Cañuelas, que passou por uma grave crise financeira.

Em sua página Linkedin, a empresa afirma que “ao longo dos anos, desenvolveu sua própria metodologia para avaliar o risco de crédito e estruturar empréstimos garantidos”. A preservação do capital e a transparência são dois dos princípios fundamentais que a BAF constantemente reforça. Entretanto, o mercado não acredita nesses preceitos, a julgar pelos resultados e pelo presente da subsidiária local.

É praticamente impossível tirar certos aperitivos do gosto do brasileiro. Sabendo disso, uma pesquisa decidiu apurar um dos nossos xodós do cardápio nacional e elegeu o melhor requeijão que hoje é vendido no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER