Com uma demanda anual de 7,6 milhões de toneladas de milho, Santa Catarina busca alternativas para reduzir o déficit de grãos e abastecer a cadeia produtiva de carnes e leite.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Foto: Divulgação / SAR

Em 2022, a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural pretende investir R$ 10 milhões no incentivo ao cultivo de cereais de inverno com foco na produção de ração e de silagem para produção animal. O anúncio foi feito pelo secretário adjunto Ricardo Miotto, nesta quarta-feira, 2, durante o Fórum Mais Milho, em Pinhalzinho.

“O que conseguimos realizar no último ano nos deixa animados para que sigamos com o projeto e para fazer dele uma política pública. Em 2022 vamos dobrar os investimentos nessa iniciativa. Nossa meta é investir R$ 6 milhões na produção de cereais de inverno e mais R$ 4 milhões para incentivar a produção de silagem com cereais de inverno, uma inovação que traremos para os catarinenses”, explica Miotto.

O secretário da Agricultura Altair Silva, que acompanhou o evento de forma remota, destaca que o Projeto demonstrou que é possível produzir cereais de inverno em Santa Catarina e que esta é uma alternativa viável para os produtores e para cadeia produtiva de carnes e leite do estado. “Estamos muito felizes com os resultados. Com um maior aporte de recursos teremos uma produção ainda maior o que resultará em mais silagem e opções para fabricação de ração, reduzindo nossa dependência de milho e os custos de produção”.

Na segunda edição do Programa, a Secretaria aumentou ainda o subsídio aos produtores que optarem por cultivar trigo, triticale ou centeio destinados à ração. Cada agricultor receberá R$ 300 por hectare efetivamente plantado, num limite de até 10 hectares.

“Incentivar o cultivo de cereais de inverno, além de contribuir com o fortalecimento das cadeias produtivas, traz grandes impactos na melhoria da qualidade e da armazenagem de água no solo. Outra vantagem importante é a geração de uma renda extra para os agricultores, que ocupam suas áreas também no inverno e colhem resultados mais positivos ao longo do ano”, destaca o secretário adjunto.

Em seu primeiro ano de execução, o Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno Destinados à Produção de Grãos trouxe resultados positivos para o agronegócio catarinense. Os investimentos do Governo do Estado, combinados com o mercado favorável, resultaram em um aumento de 101% na produção catarinense de trigo.

Como funciona o Projeto

Os produtores rurais procuram as cooperativas agropecuárias participantes para manifestar o interesse em fazer a semeadura de cereais de inverno. As cooperativas fornecem as sementes e insumos para o plantio e o produtor realiza o pagamento ao final da safra, quando entrega os grãos e recebem o subsídio por hectare cultivado.

Os grãos entregues pelos produtores às cooperativas são destinados a agroindústrias e fábricas de ração instaladas no Estado. O projeto segue o modelo do Programa Terra Boa, bastante conhecido pelos produtores rurais de Santa Catarina. O incentivo para produção de cereais de inverno vem complementar outras ações desenvolvidas pelo Governo do Estado para aumentar o fornecimento de insumos.

Déficit na produção de milho

O grande esforço de Santa Catarina para aumentar o cultivo de cereais de inverno se dá pelo imenso consumo de milho da cadeia produtiva de carnes e leite. Em 2021, por exemplo, o agro catarinense consumiu mais de sete milhões de toneladas do grão e 75% desse volume foi importado de outros estados ou países.

Este ano, as estimativas do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa) apontam para um novo aumento no déficit de grãos – o consumo de milho para ração deve ser ampliado em 3%. Enquanto isso, lavouras do estado sofrem com a estiagem prolongada e a produção catarinense pode girar em torno de 1,57 milhão de toneladas.

Desestimulados com o mercado leiteiro em Goiás, produtores abandonam a produção e preço do leite dispara.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER