Quarto maior produtor de leite do Brasil, Santa Catarina pretende criar mecanismos para fortalecer a cadeia produtiva e incentivar a exportação.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Santa Catarina
Santa Catarina

A estratégia levantada pela Aliança Láctea Sul Brasileira prevê melhorias em logística, redução dos custos de produção e qualificação de produtores.

“Daremos todo apoio à cadeia produtiva do leite, envolvendo indústria e produtores para retirar entraves que impedem o setor de crescer. Junto aos estados vizinhos, Rio Grande do Sul e Paraná, vamos buscar colocar o leite na pauta de exportações do Sul do país”, afirma Colatto.

O plano foi apresentado ao secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Valdir Colatto.

A produção de leite envolve diretamente 70 mil famílias catarinenses, sendo que aproximadamente 24 mil famílias fornecem o produto para mais de 130 unidades industriais instaladas no estado. Em 2021, Santa Catarina produziu 3,1 bilhões de litros de leite, respondendo por 8,9% da produção nacional.

O coordenador-geral da Aliança Láctea Sul Brasileira, Airton Spies, explica que o setor vive um momento delicado, com a estagnação da produção nacional e a falta de competitividade para buscar o mercado externo. “Há oito anos a produção brasileira está estagnada em 25 bilhões de litros/ano de leite vendido para as indústrias e, enquanto em outros estados a produção encolhe, na região Sul nós continuamos crescendo. Somos responsáveis por 40% do leite industrial e temos apenas 15% dos consumidores. Só o mercado interno não nos permite crescer, precisamos nos voltar para os portos e exportar nossa produção”.

Hoje, dos 15 municípios brasileiros com maior densidade de produção de leite, 10 estão em Santa Catarina: São João do Oeste, Tunápolis, Nova Erechim, Marema, Braço do Norte, Princesa, Cunhataí, Iporã do Oeste, Santa Helena e Itapiranga. Os dados analisam a quantidade de litros produzidos por quilometro quadrado e demonstram a qualificação e especialização do setor produtivo catarinense.

Entre os maiores gargalos levantados pela entidade estão os altos custos de produção, que impedem competir no mercado global; baixa eficiência produtiva no campo; logística ineficiente; manter a sanidade dos rebanhos; alta volatilidade nos preços e falta de energia elétrica trifásica e acesso à internet.

A intenção da Aliança Láctea é incluir o leite em pó, pó de soro de leite, queijo e manteiga na pauta de exportações da região Sul, ampliando o mercado consumidor e garantindo a continuidade e especialização do setor. “Santa Catarina já produz leite de qualidade, com sanidade animal, qualidade e conta com a experiência bem sucedida nas cadeias produtivas de carnes. O leite hoje é o setor com os maiores ganhos marginais a incorporar e pode ter um grande impacto na economia de Santa Catarina e na vida de milhares de catarinenses”, ressalta Airton Spies.

As propostas para fortalecimento do setor produtivo na região Sul devem ser apresentados na próxima reunião do Codesul para o envolvimento dos estados vizinhos.

Leia tambem: URUGUAI E ARGENTINA: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS NO SETOR LEITEIRO

Ano de 2021 terminou com dificuldades para os laticínios, mas cenário piorou durante 2º semestre de 2022.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER