Uma antiga reivindicação da cadeia produtiva do leite será finalmente atendida.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
SC

Uma antiga reivindicação da cadeia produtiva do leite será finalmente atendida. O campus da Udesc em Pinhalzinho anunciou nesta semana a contratação da obra de construção do Núcleo de Ciência, Tecnologia e Inovação do Leite – NCTI. A edificação terá 3.948 metros quadrados e será concluída no prazo de 540 dias ao custo de R$ 9,7 milhões. A empresa vencedora da licitação pública é a Construtora Oliveira, informa o diretor geral professor Cleuzir da Luz.

O Núcleo está orientado para a melhoria da qualidade e aumento da produtividade, além de diversificação do mix de produtos lácteos da região. A estrutura do NCTI será constituída por três segmentos: laboratório da qualidade do leite, indústria de lácteos em escala piloto e laboratório de pesquisa e inovação em leite e derivados.

O laboratório da qualidade do leite oferecerá análises para avaliação da qualidade do leite, incluído CCS (contagem de células somáticas), CPP (contagem padrão em placas), contaminantes, medicamentos e parâmetros físico-químicos. O mais importante, porém, será o credenciamento na rede brasileira de qualidade do leite do Ministério da Agricultura.

A indústria em escala piloto promoverá cursos e treinamentos, oficinas para inovação e diversificação de produtos e otimização de processos. O laboratório de pesquisa e inovação realizará pesquisa aplicada, buscará soluções para a necessidade do setor e estudará componentes, produtos e processos para toda a cadeia produtiva.

O diretor vice-presidente de agronegócios da Cooperativa Central Aurora Alimentos (Aurora Coop) Marcos Antonio Zordan classificou como “uma grande conquista para Santa Catarina porque destaca o interesse do produtor em produzir qualidade”. Observou que o laboratório cuidará do produtor até a indústria. Indicará novas tecnologias para o produtor e novos produtos para a indústria.

Zordan realçou que o oeste produz hoje o melhor leite do Brasil e que o laboratório trará mais desenvolvimento para a região e dará a segurança do melhor produto. “Vem endossar tudo o que está sendo feito. Esse laboratório nos dará cobertura para tudo o que vamos precisar em qualidade e produtividade”.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (FAESC) José Zeferino Pedrozo saudou com entusiasmo o anúncio do empreendimento. “Esse investimento será muito importante, não somente para os produtores, mas especialmente para as indústrias. Era muito esperado, pois o grande oeste de Santa Catarina responde pela maior parte do leite produzido em território barriga-verde”, comemorou.

Pedrozo observou que atualmente não há laboratório certificado para análise da qualidade do leite em Santa Catarina, sendo que a demanda de análises do setor leiteiro é enviada para Curitiba no Paraná ou Passo Fundo no Rio Grande do Sul. “Vai representar rapidez nos resultados e uma grande redução de custos. Será um grande aliado no controle da sanidade do rebanho” acrescentou.

O gestor estadual do agro do Sebrae/SC Enio Albérto Parmeggiani lembrou que o projeto de desenvolvimento e integração fronteiriça apontava, desde 2014, a necessidade do laboratório, bem como os projetos Líder e Encadeamento Produtivo da Aurora Coop. “É um grande gesto de integração entre a universidade e o mercado que permitirá a qualificação de mão de obra, a pesquisa e a inovação”.

O gestor aponta que, atualmente, as indústrias geram 40 ou 50 produtos lácteos enquanto uma Nova Zelândia, por exemplo, tem 1.400 produtos. “Há muito campo para pesquisar e crescer”, encerrou Parmeggiani.

O rigoroso controle de custos e as melhorias de produtividade permitem que a Danone compense até certo ponto o aumento dos custos.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER