As ações promovidas pelo Governo do Estado, por meio da Sedap, aperfeiçoam a qualidade da produção de leite e derivados
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

As ações promovidas pelo Governo do Estado, por meio da Sedap, aperfeiçoam a qualidade da produção de leite e derivados

O leite está entre os produtos de origem animal mais consumidos pelos paraenses. É um alimento tão importante que ganhou um dia mundial para comemorá-lo: 1º de junho. No Pará, as ações deslanchadas pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), vêm aperfeiçoando cada vez mais a qualidade do produto.Sedap fomenta a cadeia de produtos lácteosFoto: Ascom / Sedap

O Pará é o segundo maior produtor de leite da região Norte. O Estado só fica atrás do estado de Rondônia. De acordo com os dados divulgados pelo Núcleo de Planejamento e Estatísticas da secretaria, com base no levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), o Pará produziu em 2019 (ano-base tomado pelo IBGE) pouco mais de 605 mil litros de leite.

A Região de Integração do Araguaia é a que mais se destaca no produto, através dos municípios de Água Azul do Norte, Xinguara e Piçarra. Coordenador de Produção Animal da Sedap, o veterinário Ronnald Tavares informou que as ações para a produção leiteira estão inseridas em programas que abrangem tanto a cadeia da bovinocultura como a bubalina.

“São ações de apoio, promoção de eventos, comercialização, fomento com insumos e também atuamos na difusão do programa de melhoramento genético, que é o Promebull, iniciado no Marajó, fruto de um convênio da Sedap com a Embrapa”, informou o veterinário.

O programa Promebull se volta, especialmente, à pecuária bubalina familiar leiteira e inclui a capacitação com base na Inseminação Artificial por Tempo Fixo (IATF). O coordenador Ronnald Tavares informou também que está previsto o início de um programa semelhante ao Promebull, mas voltado especificamente para a bovinocultura, nos municípios contemplados pelo programa Territórios Sustentáveis.

Em 2020, a Sedap conseguiu junto ao Ministério da Agricultura (Mapa), o Selo Arte para a Queijaria São Victor, de Salvaterra, no MarajóFoto: Ascom / SedapNesse segundo projeto, em questão, a Sedap entrará com os insumos necessários para o produtor fazer a inseminação, capacitação de mão de obra local e apoio aos técnicos locais. O projeto, explicou Tavares, tem a participação da Emater e da Adepará, órgãos estaduais vinculados à secretaria.

“Isso vai melhorar a qualidade do leite, pois temos uma produção que pode se aperfeiçoar bastante. Temos ótimas condições no estado para melhorar essa produção, como o clima e o solo. Temos um trabalho importante com a Adepará com relação à sanidade do rebanho. Isso está no tripé da produção: a sanidade, fomento de pesquisa para a alimentação e, por final, a genética com um manejo reprodutivo de qualidade”, frisou o coordenador de Produção Animal da Sedap.

Sobre a comercialização do leite e seus derivados, a Sedap informou que investe em ações para capacitar os produtores em boas práticas agropecuárias e de fabricação do produto. Em conjunto com a Adepará, orienta os produtores que ainda não se adequaram à legislação vigente, para que possam acessar outros mercados.

O Selo permite a comercialização do queijo artesanal para outros estados, conforme estabelece o decreto publicado em julho do ano passado pelo governo federal.

Valorização está relacionada ao forte aumento do custo de produção por conta da forte estiagem sofrida no Brasil.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER