Os produtores percebem preços deprimidos enquanto a inflação e o valor do dólar complicam os custos. Detalhes de um cenário dramático.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Os produtores percebem preços deprimidos enquanto a inflação e o valor do dólar complicam os custos. Detalhes de um cenário dramático.

Por Patricio Eleisegui Fonte iProfesional
Em uma nova ofensiva contra o Governo, as entidades do campo nucleadas na Mesa de Enlace saíram para exigir medidas urgentes para o setor lácteo. E argumentaram que, se os preços atuais recebidos pelo produtor forem mantidos, a atividade será extinta a curto prazo.

Coninagro, CRA, Federação Agrária e a Sociedade Rural argumentaram que os produtores leiteiros coletam hoje o mesmo que em meados de 2020 sendo que, naquele período, variáveis como o preço internacional do milho, um insumo chave para o segmento, o aumento das retenções para a exportação de laticínios e, além disso, o consumo não se recupera devido ao efeito da recessão dominante.

Através de uma declaração acessada pela iProfesional, organizações relataram que põe em risco a continuidade de pelo menos 10.000 fazendas leiteiras, além de observar que os produtores carecem de incentivos e também carregam uma pressão tributária sufocante.

“Desde meados de 2020, o produtor está recebendo um preço insuficiente por seu leite na fazenda leiteira. Atualmente, com os 21,36 pesos por litro não é suficiente para cobrir os custos de produção, que são dolarizados em 80%, não recebemos nenhum incentivo e nossa carga tributária é muito maior do que no resto do mundo”, disseram eles.

“Além disso, no atual contexto global, os produtores argentinos são os que recebem o preço mais baixo, 0,24 dólares por litro, longe dos históricos 0,33 por litro, o que é necessário para cobrir os custos médios de produção. Nossos concorrentes no mundo inteiro, assim como nosso vizinho Brasil, recebem hoje até 0,44 dólares por litro, com custos equivalentes e/ou inferiores aos nossos”, acrescentaram eles.

A Mesa de Enlace afirmou que o cenário de crise que atravessa a atividade “é fortemente influenciado pelo programa Preços Cuidados, bem como o desestímulo à exportação que apresenta retenções e as pequenas restituições”. Estamos exportando impostos”.

“… devemos substituir as propostas que distorcem o mercado, que já falharam e não são aplicadas no mundo, por medidas que permitam a atividade econômica do setor, o acesso aos produtos lácteos essenciais aos setores mais vulneráveis da sociedade, por medidas que focalizem a demanda e, ao mesmo tempo, permitam a entrada de divisas que o país tanto precisa”, concluiu o bloco de entidades.

O desconforto exposto novamente pelo campo coincide com a decisão oficial de estender o programa de Preços Máximos até 31 de março.

E não somente isso: através da resolução 112/2021 o governo intimidou os produtores de alimentos “a aumentar sua produção ao máximo de sua capacidade instalada e a arbitrar as medidas conducentes a assegurar seu transporte e provisão durante o período de validade desta medida”.

Ao redor das associações do setor lácteo consultadas pela iProfesional ressaltam que a continuidade inevitavelmente levará à paralisação das instalações de produção e ao leilão do gado leiteiro.

“Não há mais recursos econômicos para seguir adiante. Quase 80% das fazendas leiteiras em atividade pertencem a pequenos e ultra-divididos produtores. Estamos a caminho de outra onda de fechamentos definitivos”, disse uma referência da atividade, estritamente fora do registro.

Luz vermelha

Em sintonia com isto, a Coninagro expôs em seu monitoramento de semáforos que a atividade leiteira está “em vermelho e com prognóstico reservado”.

“O consumo interno e as exportações, estimativas do terceiro componente, permanecem estáveis em volume, mas não em valor, o que não é suficiente para compensar o efeito negativo do primeiro componente. Por exemplo, em dezembro a variação anual dos preços era de apenas 27%, bem abaixo da inflação, e o próprio aumento dos custos, que é estimado em pelo menos 43% no mesmo período”, disse ele.

“A diminuição do poder de compra do consumo gerou que os laticínios têm um valor geral menor, que é transferido para o preço por litro e componente, para o laticínio”, acrescentou ele.

A respeito deste cenário, Daniel Kindebaluc, secretário geral da Coninagro, disse que “espera-se que nos próximos meses a atividade continue a sofrer”. E, a partir dessa perspectiva, previu um “fechamento de fazendas leiteiras e retração na produção”.

“No que diz respeito ao mercado externo, as retenções no setor aumentaram 1%, de 3 e 4 pesos por dólar para uma porcentagem fixa, e com o aumento da taxa de câmbio aumentou ligeiramente. Por todos os impostos que pagamos, consideramos que devemos recuperar algo com restituições à exportação”, disse ele.

Então ele concluiu: “Os custos para o produtor de leite subiram, assim como a ração animal, que é composta de milho, e isto causa um atraso nos preços. Estamos em um momento em que avaliamos se devemos fazer “caixa” do milho que tem o produtor no campo ou fazer “saco” de reserva para alimentar os animais para o inverno. É uma encruzilhada difícil de sustentar e os mais afetados são os pequenos e médios produtores”.

 

Inventados para aliviar o trabalho nas salas de cura, eles ajudam na metamorfose dos queijos suíços.”

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER