Por meio de cursos e Assistência Técnica e Gerencial, bovinocultor de leite aumenta a produção com manejo e genética.
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
leite

Produtor rural em Anaurilândia, Antônio Flávio Ferreira trabalhava em uma indústria antes de se dedicar à bovinocultura de leite. Após a entrada da Assistência Técnica e Gerencial do Senar/MS, participou de cursos e capacitações até chegar a 70% do rebanho gerado por meio da IATF (Inseminação Artificial em Tempo Fixo).

“No começo eu não tinha noção do manejo, principalmente na parte de gestão financeira. Quando o Senar chegou, a gente foi se adequando. O Senar transformou, porque agora a gente sabe que leite é uma indústria; tem que tratar como se fosse uma empresa”, conta o produtor.

Flávio, como gosta de ser chamado, explica que começou a produzir leite por conta própria, fazia ordenha manual e tentava aumentar o rebanho comprando mais vacas.

“Eu estava começando a produzir leite. Era uma cerquinha de três fios de arame aqui no fundo, com vaca ordenhada na mão mesmo. Depois fizemos o barracão. Agora estamos mudando para uma sala de ordenha, que passou a ser mecanizada”, detalha.

Ele também destaca que por meio dos cursos de Inseminação Artificial e a Assistência Técnica e Gerencial em Bovinocultura de Leite foi possível aprender sobre o assunto para desenvolver o rebanho.

“O Senar foi ensinando que a gente teria que enfatizar na parte de reprodução, alimentação, para poder ter um rebanho próprio. E hoje, 70% do meu rebanho já são novilhas feitas aqui mesmo”, destaca.

O técnico de campo, Ronaldo Bandoch, explica que a inseminação artificial é uma ferramenta que tem como objetivo trazer o sucesso dentro da propriedade rural. “O Senar hoje vem com esse trabalho, proporcionando para o produtor um salto na genética dos animais. Eu vejo que esse é um modelo de assistência ímpar, que vai mudar a vida dos produtores rurais e mudar a realidade do nosso estado em produção de leite”, finaliza.

Ano de 2021 terminou com dificuldades para os laticínios, mas cenário piorou durante 2º semestre de 2022.

Você pode estar interessado em

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Para comentar ou responder, você deve 

ou

Notas
Relacionadas

ASSINE NOSSO NEWSLETTER